Para vencer a Copa América, vitória sobre os então algozes

Títulos ainda não eram uma rotina da Seleção Brasileira, quando em 15 de outubro de 1922 enfrentou a rival Argentina pela semifinal do Campeonato Sul Americano, o embrião, ou o começo do que seria consagrado como Copa América.

Naquela época, até os confrontos com os argentinos não eram comuns. A primeira vez que se enfrentaram foi em 1914, com uma goleada dos ‘hermanos’, por 3 a 0. Esta partida de 1922 era apenas a nona da história entre as seleções e até então a vantagem era argentina, com quatro vitórias, dois empates e duas derrotas.

Atualmente a vantagem é brasileira, com 37 vitórias e 33 derrotas. E o curioso é que o Brasil teve vantagem no número de vitórias sobre a Argentina pela primeira vez somente em 1995.

Por isso essa vitória por 2 a 0, que credenciava o time brasileiro para a disputa da decisão da competição contra o Paraguai, pode ser considerado muito importante. Ainda mais porque um ano antes, as equipes se enfrentaram em um quadrangular que decidia a competição e com a vitória sobre o Brasil, a Argentina ficou com o título. Mas desta vez não, e graças a dois corintianos. No estádio das Laranjeiras o avançado Neco inaugurou o placar ainda na primeira etapa, mas no fim, aos 42 minutos. Também no fim, mas da segunda etapa, o médio e capitão Amílcar Barbuy decretou a vitória brasileira. Uma espécie de vingança do ano anterior.

O time brasileiro que tinha como homem central do seu comitê técnico o senhor Ferreira Vianna Netto, além de Célio de Barros, que atualmente nomeia o Estádio de Atletismo no Complexo do Maracanã, ainda contava em sua fileira com ícones dos primórdios do futebol brasileiro, como o palestrino Heitor Domingues e Laís, médio do Fluminense.

A curiosidade fica por conta da grande mudança de jogadores sofrida pela seleção em cerca de um ano. Dos que foram derrotados contra a Argentina no ano anterior, apenas o goleiro flamenguista Kuntz, e o médio direito Laís seguiram na equipe. Toda essa mudança se deu mesmo com a manutenção da comissão técnica. De toda forma, as modificações surtiram efeito, tanto que diante do Paraguai, o Brasil conquistaria a sua segunda Copa América da história.

Ficha técnica: Brasil 2×0 Argentina

Brasil
Kuntz [Flamengo]; Palamone [Botafogo] e Bartô II [A. A. São Bento-SP]; Laís [Fluminense], Amílcar Barbuy [Corinthians] e Fortes [Fluminense]; Formiga [Paulistano], Neco [Corinthians], Heitor Domingues [Palestra Itália], Tatu [Corinthians] e Rodrigues I [Corinthians]
Técnico: Ferreira Vianna Netto

Argentina
Américo Tesorieri; Celli e Sarasibar; Chabrolin, Médici e Solari; Gaslini, Libonatti, Chiessa, Francia e Rivet
Técnico: Américo Tesorieri

Data: 15 de outubro de 1922
Competição: Campeonato Sul Americano
Local: Estádio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro
Árbitro: Francisco Andreu Balcó

Por Raoni David
—————————————————————

A win over Argentina to triumph the South American Championship

At a time when the Seleção was not used to win titles all the time, the Brazilian team faced Argentina for the semis of the South American Championship, the first steps of what we know now as Copa América.

At that time even matches against rivals Argentinians were not as common as these days. The one in 1922 was only the ninth in history, by then Argentina was on advantage at the head-to-head confrontation with four wins, two ties and two losses. Nowadays this advantage is Brazilian, with 37 wins and 33 defeats, the first time Brazil passed the Argentinian wins as only in 1995.

This 2 to 0 victory is so important not only because it was agains Argentina, after that win Brazil had to face Paraguay in a final match to decide whose would keep the trophy. Even more importance should you consider that one year before Brazil faced Argentina and lost at hoem in Rio. This time the players from Corinthians led the way, Neco scored the first goal and team captain Amílcar Barbuy doubled it to seal Brazil’s win.

A key figure in Brazil squad was Ferreira Vianna Netto, the coach of the team, and Célio de Barros, that gave his name to the track and field complex in Maracanã. Other notables were Heitor Domingues and Laís.

A major change in the squad took place over only one year, just the keeper Kuntz and the midfielder Laís were in the team in 1921. The change proved rigth because not only Brazil got a win this time over Argentina, they won the final match against the Paraguayans as well, to get their second continental trophy.

Brazil 2×0 Argentina

Brazil
Kuntz [Flamengo]; Palamone [Botafogo] and Bartô II [A. A. São Bento-SP]; Laís [Fluminense], Amílcar Barbuy [Corinthians] and Fortes [Fluminense]; Formiga [Paulistano], Neco [Corinthians], Heitor Domingues [Palestra Itália], Tatu [Corinthians] and Rodrigues I [Corinthians]
Coach: Ferreira Vianna Netto

Argentina
Américo Tesorieri; Celli and Sarasibar; Chabrolin, Médici and Solari; Gaslini, Libonatti, Chiessa, Francia and Rivet
Coach: Américo Tesorieri

Date: 15th October 1922
Competition: South American Championship
Place: Laranjeiras Stadium, Rio de Janeiro
Referee: Francisco Andreu Balcó

Tradução de Fabricio Presilli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s