Na estreia da melhor ‘Era Parreira’, vitória contra a Iugoslávia

A Seleção Brasileira, em 1991, vivia, talvez, a sua maior crise em todos os tempos. Sem ganha uma Copa há 21 anos, e recém-eliminada da última para a maior rival Argentina, apresentando um futebol bastante burocrático, o esporte, no país, parecia fadado ao fracasso.

A esperança estava em um novo técnico. Na figura de Paulo Roberto Falcão os bons tempos estavam personificados naquele volante moderno, que sabia sair para o jogo e se transformar num meia-direita. Porém, como técnico, entre os anos de 90 e 91 foram 17 jogos e apenas seis vitórias, sete empates e quatro derrotas. Pior ainda foi Ernesto Paulo, que dirigiu a equipe num único jogo: 1 a 0 País de Gales.

Eis que no dia 30 de outubro de 1991, Carlos Alberto Parreira faria seu primeiro jogo em sua segunda passagem pela Seleção Brasileira. A partida era amistosa e o adversário um tanto mais complicado que os gauleses.

A Iugoslávia tinha um time respeitável, com destaque para Mihaijlovic, que ainda era meio-campista. Mais tarde, já veterano, se mostrou um ótimo zagueiro, especialmente por sem bom chute de esquerda. Savicevic era um meia habilidoso e o também canhoto Mijatovic era um matador nato.

Já o primeiro Brasil da melhor passagem de Parreira no comando da seleção contava com poucos nomes experientes. A grande exceção era o goleiro Carlos e o atacante Renato Gaúcho. O restante ainda não tinha seus nomes fincados no futebol brasileiro, até, principalmente pela falta de títulos conquistados.

É importante salientar, porém, que poucos não o fizeram. Dos 14 que entraram em campo, Lira, lateral-esquerdo do Grêmio e Luís Henrique, meio-campista do Palmeiras, não se firmaram como grandes nomes. O ponta-esquerda são-paulino Elivélton ficou famoso por gols importantes, mas nunca se firmou como titular em lugar algum. Já Luís Carlos Winck sempre foi apontado como um dos melhores de sua posição e por sua versatilidade, mas acabou rodando demais. E ainda tinha o Valdeir, atacante que só jogava bem no Rio.

Em compensação, Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Raí, Bebeto e Müller, tornaram-se ícones. Todos estavam na Copa de 94, quando da conquista do título brasileiro, e a quebra do jejum de 24 anos. Destes, somente Müller não teve participação direta, em campo, na conquista. Outro que teve ótima carreira, porém nem tanto na seleção, foi o zagueiro Antônio Carlos.

No jogo, Luís Henrique abriu o placar para o Brasil, que sofreu o empate com Lukic. No entanto, a dupla do Morumbi, Müller e Raí deram números finais ao jogo. Pouco mais de um ano depois, ambos, em especial o segundo, teriam atuações decisivas no primeiro título Mundial conquistado pelo São Paulo, e por Telê Santana.

Ficha técnica: Brasil 3 x 1 Iugoslávia

Brasil
Carlos [Palmeiras]; Luís Carlos Winck [Vasco] (Cafu) [São Paulo], Antônio Carlos [São Paulo], Márcio Santos [Internacional] e Lira [Grêmio]; Mauro Silva [Bragantino], Luís Henrique II [Palmeiras] e Raí [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio] (Valdeir) [Botafogo], Bebeto [Vasco] (Müller) [São Paulo] e Elivélton [São Paulo].
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Iugoslávia
F. Omerovic; B. Vujacic, D. Novak, I. Najdoski (B. Babuski) e D. Milanic (M. Stanic); V. Jugovic, S. Jokanovic, S. Mihaijlovic (S. Curcic) e D. Savicevic; P. Mijatovic (R. Vidakovic) e V. Lukic.
Técnico: Ivan Ivica Osim

Data: 30 de outubro de 1991
Competição: Amistoso
Local: estádio Dilzon Melo, em Varginha, Minas Gerais
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos

Por Raoni David
—————————————————————

At Parreira’s new debut, a win over Yugoslavians

Back in 1991 the Seleção was in the worst possible place. They had 21 years since last winnig a World title and lost in the last World Cup to the main rival, Argentina, with a heavily criticized team over its poor performance.

So the hope of the supporters turned to a change in the management position. Paulo Roberto Falcão was a defensive midfielder who knew how to treat the ball, back in th 80’s, However his adventure as coach between 1990 and 1991 lasted only 17 games, seven ties and four defeats later he was no longer the coach. Ernesto Paulo managed to be even worst, managing a game versus Wales that Brazil lost 1 to 0.

And by the end of October of 1991, Carlos Alberto Parreira would debut in his second term as national coach. The friendly had an adversary way togher than Wales. Yugoslavia had a very good team, players like Mihaijlovic, Savicevic and Mijatovic, all in the history books of the Balkans coutries, were in that team.

Brazil on the other hand had only a few experienced players to rely on, the forward Renato Gaúcho and keeper Carlos were the big names, all the others hadn’t had a chance to shine locally yet.

From the 14 players Parreira put on the field that day, only left back Lira and midfielder Luís Henrique never really made an impact in the big teams. Elivélton became known as a guy that scored important goals, mostly as a backup in São Paulo. Luís Carlos Winck was recognized as one of the best rigth backs in the country, but several club changes left him off the Seleção, and forward Valdeir made his name in Rio, but only there.

Parreira took several players from this match to the World Cup in 1994, Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Raí, Bebeto and Muller went to the USA. Aside of the last one, all of them played na importan role in the World Cup. Another player that had good years in clubs but never excelled in Seleção was Antônio Carlos.

Luís Henrique scored Brazil’s first goal, Lukic tied before the couple from São Paulo, Muller and Raí, gave final numbers to the match. A little over a yera later both won the Club World Championship with Telê Santana over Barcelona.

No jogo, Luís Henrique abriu o placar para o Brasil, que sofreu o empate com Lukic. No entanto, a dupla do Morumbi, Müller e Raí deram números finais ao jogo. Pouco mais de um ano depois, ambos, em especial o segundo, teriam atuações decisivas no primeiro título Mundial conquistado pelo São Paulo, e por Telê Santana.

Brazil 3 x 1 Yugoslavia

Brazil
Carlos [Palmeiras]; Luís Carlos Winck [Vasco] (Cafu) [São Paulo], Antônio Carlos [São Paulo], Márcio Santos [Internacional] and Lira [Grêmio]; Mauro Silva [Bragantino], Luís Henrique II [Palmeiras] and Raí [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio] (Valdeir) [Botafogo], Bebeto [Vasco] (Müller) [São Paulo] and Elivélton [São Paulo].
Coach: Carlos Alberto Parreira

Yugoslavia
F. Omerovic; B. Vujacic, D. Novak, I. Najdoski (B. Babuski) and D. Milanic (M. Stanic); V. Jugovic, S. Jokanovic, S. Mihaijlovic (S. Curcic) and D. Savicevic; P. Mijatovic (R. Vidakovic) and V. Lukic.
Coach: Ivan Ivica Osim

Date: 30th October 1991
Competition: Friendly
Place: Dilzon Melo Stadium, Varginha, Minas Gerais
Referee: Wilson Carlos dos Santos

Tradução de Fabricio Presilli

Brasil e Paraguai: um confronto de muitos gols… Brasileiros!

Em 20 de outubro de 1983 o Brasil enfrentou o Paraguai pelo segundo jogo da semifinal da Copa América e com o empate sem gols, o time brasileiro conseguiu a vaga para a decisão somente no sorteio. O que chama atenção na partida, porém, é o fato de a rede não ter balançado. Fato raro no histórico dos confrontos.

Isso porque em 74 jogos entre as seleções a média de gols é de 3,05 por jogo e apenas em cinco oportunidades não aconteceram gols. O Brasil, é claro, leva ampla vantagem, já que fez 165 gols e tomou apenas 61. Um saldo respeitoso de 104 gols. O artilheiro? Adivinhe…

Pelé! Maior artilheiro da história do futebol mundial, Pelé é também o maior artilheiro da história dos confrontos entre os países. Foram dez gols marcados e a pulverização do recorde anterior que era de Baltazar, o ‘Cabecinha de Ouro’. Até então, o corintiano era o grande artilheiro do confronto, com cinco gols.

Na década de 60, outro santista, Coutinho, quase se igualou ao ‘cabecinha’, mas marcou apenas quatro vezes. Somente na década de 80 alguém ultrapassaria Baltazar. Zico conseguiu a façanha ao marcar sete gols. Mais tarde, na década de 90, Bebeto entrou para a história ao marcar cinco gols.

Em uma única partida, o máximo que alguém conseguiu foi marcar três gols. O primeiro a fazê-lo foi Ademir Menezes. No segundo jogo em que marcou Pelé também conseguiu o hat trick. Assim como Paulo Pernambucano, que defendeu a seleção de seu estado, quando essa representou a nacional. Muitos anos depois, Zico repetiu a façanha. O paraguaio H. Gonzáles também marcou três vezes em uma mesma partida.

Entre os paraguaios, o mesmo que marcou pela primeira vez, é quem tem mais gols contra a seleção brasileira. Rivas fez no primeiro empate da história, em 1922 e em outras três oportunidades, e, portanto, com quatro gols, é o recordista. Neste século, quatro jogadores dividem a artilharia com dois gols: os paraguaios Roque Santa Cruz e Salvador Cabañas e os brasileiros Ronaldinho Gaúcho e Robinho.

E se o Brasil leva ampla vantagem nos gols, não poderia ser diferente no número de vitórias. Desde o primeiro jogo disputado, em 1921, foram 74 partidas e o time brasileiro saiu vencedor em 46 vezes e derrotado em 11. Dezessete partidas terminaram empatadas.

Neste período o Brasil conseguiu emplacar três enormes tabus. O primeiro entre março de 1954 até o mesmo mês de 1963. Foram 18 jogos sem perder, com 14 vitórias e quatro empates. Em seguida, entre agosto de 1969 e maio de 79, foram 11 jogos sem derrotas, com oito vitórias. Por fim, o maior tabu no que se refere ao tempo: entre outubro de 1979, e junho de 1997, ou seja, 18 anos sem derrota. Foram realizados neste período 15 jogos, e o Brasil venceu dez.

Os paraguaios também tiveram seus tabus, porém bem mais curtos. O primeiro aconteceu entre maio de 1950 e abril de 1953. Com a disputa de três jogos, houve duas vitórias paraguaias e um empate. Mais recentemente, entre agosto de 2002 e julho de 2004, o Paraguai conseguiu a sequência de três jogos sem perder, com mais duas vitórias e um empate.

Por Raoni David
—————————————————————-
When Brazil face Paraguay you can expect a lot of goals, of Brazil!

On a 20th of October back in 1983 Brazil faced Paraguay for the second leg of the Copa America semifinal, with the goaless tie Brazil got the spot in the final only in the draw. However the weird thing about this game is the lack of goals.

In 74 matches among the two teams the goal average is 3.05 per game, and only five matches finished without scoring. Brazil scored 165 goals and suffered only 61. Pelé is the top scorer in the history of the head-to-head confrontation with 10 goals. The Corinthians legend Baltazar had five against the Paraguayans. In the 60’s Coutinho scored 4 goals, only in the 80’s someone passed Baltazar’s numbers, Zico made 7 goals and Bebeto joined with 5 goals in the 90’s.

The record for most goals in a single game is three. Ademir Menezes was the first to do it, Pelé had a hat-trick in his second game, Paulo Pernambucano and Zico also got three in a game. H. Gonzáles scored three times as well.

Rivas is the top Paraguayan scorer, with four goals back in the 1920’s. Roque Santa Cruz and Salvador Cabañas in the Paraguay side as well as Ronaldinho Gaúcho and Robinho scored two times each at this decade.

Brazil has the most wins in the head-to-head confrontation with 46 victories and only 11 defeats, seventeen games finished in a tie. Between 1654 and 1963 Brazil managed to stay 18 matches without losing to the neighbors, but the biggest Paraguayan drougth was between 1979 and 1997, 18 years without a win over Brazil. The higher number of matches Paraguay got without a defeat against Brazil was three, in the 50’s and between 2002 and 2004, always with two wins and a tie.

Tradução de Fabricio Presilli

Com Ronaldo, Zagallo vence revanche com uruguaios

Mário Jorge Lobo Zagallo era novamente o treinador da Seleção Brasileira em 11 de outubro de 1995 e dava continuidade a mais uma renovação da equipe que acabara de ser campeã do mundo. O tetracampeonato conquistado na Copa dos Estados Unidos, com um show de Romário.

Daquele time, estavam apenas Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Bebeto e Ronaldo. Ao mesmo tempo, entre os que foram convocados para a Copa do Mundo da França, três anos depois, estavam Carlos Germano, Cafu, André Cruz, Roberto Carlos, Zé Roberto, Rivaldo e Giovanni. Quase um time inteiro.

Outros jogadores que eram apostas de Zagallo, como o zagueiro Narciso, o volante Amaral e atacante Sávio, jamais teriam a chance de jogar com o time brasileiro por uma Copa do Mundo.

O jogo tinha certo sabor de revanche. Três meses antes o Brasil perdera a Copa América para o próprio Uruguai nos pênaltis. O time brasileiro ainda saiu na frente com gol de Túlio. Mas os uruguaios empataram e, em casa, ficaram com o título quando o mesmo Túlio perdeu a quarta cobrança.

O grande destaque da equipe uruguaia naquela Copa América era o craque Francescoli, no alto de seus 33 anos, que já não estava mais no time de Hector Nuñes. Isso talvez tenha facilitado a vitória brasileira em Salvador. Durante a partida, porém, entrou um outro bom jogador uruguaio: o meia-atacante canhoto Magallanes, que acabou jamais se firmando na seleção celeste.

Quem começava a se firmar era Ronaldo, que ainda não era dono da posição do time brasileiro. Tanto que esta era apenas a quinta partida que entrava como titular do time no ano. E o fenômeno não deixou por menos, e marcou os dois gols na vitória brasileira por 2 a 0. Apesar disso, nos outros dois jogos que o Brasil fez na temporada, o craque sequer entrou em campo.

Ficha técnica: Brasil 2×0 Uruguai

Brasil
Carlos Germano [Vasco]; Cafu [Palmeiras], Márcio Santos [Fiorentina-ITA] (Narciso) [Santos], André Cruz [Napoli-ITA] e Roberto Carlos [Internazionale-ITA] (Zé Roberto) [Portuguesa]; Mauro Silva [La Coruña-ESP], Amaral [Palmeiras], Rivaldo [Palmeiras] e Giovanni [Santos]; Bebeto [La Coruña-ESP] e Ronaldo [PSV Eindhoven-HOL] (Sávio) [Flamengo]
Técnico: Zagallo.

Uruguai
Ferro; Mendez, Herrera, Moas e Montero (Adinolfi); Bengoechea, Gutíerrez (Gonsalez), Sarilegui (Vanzini) e Poyet; Martinez (Magallanes) e O’Neill (Aberon)
Técnico: Hector Nuñez.

Data: 11 de outubro de 1995
Competição: Amistoso
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, Bahia
Árbitro: José J. Torres Cádena

Por Raoni David

——————————————————————————————-

With Ronaldo, Zagallo win rematch against Uruguay

Mário Jorge Lobo Zagallo was once again Brazil’s head coach in october 11th of 1995, and he would continue to remodel the team that just won the 1994 World Cup, with a fabulous performance from Romário.

From the 1994 squad only Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Bebeto and Ronaldo were still in the team. At the same time among the new players some still were in the team when the next World Cup came, in 1998, Carlos Germano, Cafu, André Cruz, Roberto Carlos, Zé Roberto, Rivaldo and Giovanni, entire squad.

Other players never had the chance to play a match in the World Cup, like Narciso, Amaral and Sávio.

The game had a special flavour, three months before Brazil lost the Copa América to the uruguayans on penalties tie-braker. The brazilians scored first back then with Túlio, but the home team managed to draw and keep the title, the same Túlio was decisive as he lost his penalty kick.

Uruguay could still rely on the great Enzo Francescoli, 33 at that time, in the Copa América, now retired from international football. That probably made the brazilian win easier in Salvador. During the match however a lefty went to the pitch and impressed, Magallanes however never really got a steady place in Uruguay’s roster.

A player that started to feel better in yellow was Ronaldo, that was his fifth game as a starter in the Seleção that year, and he left an impression by scoring the two brazilian goals that time. In spite of that, on the other matches Brazil’s played later that season Ronaldo didn’t come off the bench.

Brazil 2×0 Uruguay

Brazil
Carlos Germano [Vasco]; Cafu [Palmeiras], Márcio Santos [Fiorentina] (Narciso) [Santos], André Cruz [Napoli] and Roberto Carlos [Internazionale] (Zé Roberto) [Portuguesa]; Mauro Silva [La Coruña], Amaral [Palmeiras], Rivaldo [Palmeiras] and Giovanni [Santos]; Bebeto [La Coruña] and Ronaldo [PSV Eindhoven] (Sávio) [Flamengo]
Coach: Zagallo.

Uruguay
Ferro; Mendez, Herrera, Moas and Montero (Adinolfi); Bengoechea, Gutíerrez (Gonsalez), Sarilegui (Vanzini) and Poyet; Martinez (Magallanes) and O’Neill (Aberon)
Coach: Hector Nuñez.

Date: 11th october 1995
Competition: Friendly
Place: Fonte Nova Stadium, Salvador, Bahia
Referee: José J. Torres Cádena

Tradução de Fabricio Presilli

Dunga é o cara!

Dunga é o cara! Não é provocação, é sério. Foi subestimado quando jogador por toda imprensa e opinião pública, dando seu nome como apelido para uma fase horrível da Seleção Brasileira. ‘Era-Dunga’. Assim ficou conhecido o período em que o aguerrido volante usou a amarelinha.

Mas junto com ele, geralmente, tinha mais um volante e outros três zagueiros. Enquanto isso, craques como Careca, Renato Gaúcho, Bebeto e Romário, viviam no banco de reservas. Deste jeito não tinha seleção que encantasse. Mas a culpa era dele, Dunga!

Chegou a Copa de 94 e sem tantos craques, mas com menos zagueiros, o Brasil conquistou o tetracampeonato, que era esperado há trinta anos, e nomes como Ademir da Guia, Zico e Sócrates não conseguiram conquistar. Dunga conquistou, e como capitão ergueu a taça. E durante a competição, mostrou que não era tão ruim assim com lançamento para gol e cobrança de pênalti na decisão contra Itália.

Em 1998, nova reviravolta, mas desta vez, não era Dunga quem estava no olho do furacão, e sim, Ronaldo. Sobre o capitão, o que diziam, fazia referência à uma possível discussão com Leonardo no vestiário da partida contra a França, fato que explicaria a aparente apatia do sempre guerreiro camisa 8. Enfim, Dunga parecia encerrar sua carreira na seleção por cima. Campeão em 94 e ileso do vexame de 98.

Mas este não era o fim. E Dunga voltou, para iniciar a carreira como técnico. O fato gerou críticas. Como era possível, alguém iniciar a carreira como técnico no cargo mais concorrido por todos os outros. E lá ia Dunga, para mais uma fase de críticas, talvez até mais ácidas que na época de jogador.

Mas Dunga não aceitaria o cargo à toa. Sabia do que era capaz e aos poucos, deu sua cara ao time brasileiro, que passou a jogar com raça, vontade, boa estrutura tática (parecida com as de 94 e 98, é verdade), mas bem definida. Com isso, o futebol brasileiro reapareceu na camisa que o torcedor se acostumou a ver jogadores já consagrados, se arrastarem em campo.

E assim se fez, nova torcida pela seleção! Parabéns Dunga!

Por Raoni David
————————————————————–
Dunga is the MAN!

Dunga is the man! No, I am being serious, it is not a joke. When he played nobody believed he had what it takes to play in the Seleção, Dunga even became a reference of a bad phase for the team, the “Dunga Era”. This nickname is often used to remember the years that the strong full back worn the famous yellow one.

Often Dunga played with another back, plus other three defenders, and left players like Careca, Bebeto, Renato Gaúcho and even Romário benched. With a roster like that there was no way a team could ever bring a class act, and the brazilians select Dunga to blame for the team poor play.

So it arrived 1994, and without so many great players to rely on, and with fewer backs than previous years, the Seleção finally won the fouth title that was due for almost thirty years. Leaving legends such as Ademir da Guia, Zico and Sócrates without a World Cup trophy. Dunga earned and as team captain raised the gold, during the competition he showed his evolution as a player, giving assistants and even scoring a penalty kick during the final decider.

Another turn around came in 1998, but this time Dunga was not in the center of it all, it was Ronaldo´s time. About the capitain it is said that he had an argument with Leonardo in the locker room that could explain his poor performance in the final against the french. Those were what we believed to be his last years in the Seleção.

To prove the world was wrong Dunga came back, starting a coaching carreer from the top. Critics said that nobody could ever had a first gig on a coaching position in the most wanted teams of all, and again Dunga received a hard dose of criticism and again had to prove everybody was wrong.

He knew what he is capable of, game by game he gave his flavour to the team, grit and spirit, a good tactical structure (similar to those in 94 and 98 in fact), but well defined. Now the yellow shirt is back with great players, sometimes failing to give their best, but improving with time.

Because of him a new kind of cheering was born, congrats Dunga!

Tradução de Fabricio Presilli