Grandes jogadores brasileiros: Élber

Élber Giovane de Souza
Posição: atacante
Nascimento: 23/julho/1972 – Londrina/PR
15 jogos – 7 gols
Primeiro jogo: 05/02/1998 – Brasil 1×1 Guatemala (Gold Cup)
Último jogo: 05/09/2001 – Brasil 1×2 Argentina (Eliminatórias para a Copa)

Contratado ainda jovem pelo Milan, em 1991 após boa apresentação no Campeonato Mundial de Juniores do mesmo ano, Élber foi emprestado para o time suíço Grasshopper, onde se destacou, despertando interesse de equipes alemãs, para onde foi em 1994.

Após três temporadas em Sttutgart, Élber se transferiu para o Bayern de Munique, maior clube alemão nas últimas décadas. Na Baviera o atacante ganhou seus principais títulos e se tornou ídolo da torcida local, ele ficou por lá seis temporadas, marcando quase cem gols com a camisa do Bayern.

Talvez por preconceiro, já que Élber não havia jogado profisionalmente no Brasil, e porque a Alemanha era considerado um mercado secundário de clubes para os jogadores brasileiros, Élber não despertou a atenção de técnicos da Seleção até 1998, quando Zagallo o convocou para a disputa da Gold Cup,

Élber não foi à Copa do Mundo no mesmo ano devido a uma lesão no ombro. Com grande concorrência no ataque, Ronaldo, Romário e Edmundo se revezavam na Seleção, Élber jamais se firmou novamente no time nacional. Conseguiu porém marcar três gols em um amistoso contra os equatorianos.

Em 2003 Élber buscou novos ares se transferindo para o campeão francês Lyon, sem conseguir se firmar depois de uma temporada voltou para a Alemanha e depois para o Brasil, onde encerrou a carreira no Cruzeiro em 2006.

Élber é representante e olheiro do Bayern de Munique no país, ele foi um dos responsáveis pela transferência do jovem zagueiro Breno para a Alemanha.

Principais títulos conquistados durante a carreira
– Campeonato Alemão (1999/2000, 2000/2001, 2001/2002, 2003/2004)
– Campeonato Mineiro (2006)
– Champions League (2000/2001)
– Copa da Alemanha (2000/2001 e 2003/2004)
– Mundial de Clubes (2001)
– Campeonato Francês (2003/2004)

Por Fabricio Presilli
—————————————————————
Brazilian greats: Élber

Élber Giovane de Souza
Position: striker
Born: 23/July/1972 – Londrina/PR
15 games – 7 goals
First match: 05/02/1998 – Brazil 1×1 Guatemala (Gold Cup)
Last match: 05/09/2001 – Brazil 1×2 Argentina (World Cup Qualifying Tournament)

Transferred young to Milan in 1991, after a good performance in the Younger’s World Cup at the same year, Élber went on loan to Swiss side Grasshopper, where he managed to score lots of goals, opening the eyes of some German clubs that wanted his football, he went to Germany in 1994.

After three seasons playing for Stuttgart, Élber moved to Bayern Munchen, the powerhouse of German football lately. In Bayern Élber had his best years and won some great titles, becoming an idol for the local supporters. Élber stayed there for six seasons, scoring almost one hundred goals with Bayern.

The reasons for the lack of attention from the coaches towards Élber is unclear, Zagallo however gave the striker a chance and he played well in the Gold Cup Brazilian finished in third. Élber didn’t made to the World Cup that year because of a shoulder injury. Moreover Brazil had some great forwards at that time, Ronaldo, Romário and Edmundo where constantly at the team.

In 2003 Élber moved to France, winning a French Ligue1 with Lyon but moving back to Germany after just one season. After a short spell in Monchengladbach he came back to Brazil to play for Cruzeiro in 2006, where he retired from football.

Élber is now a representative and scout for Brazilian players for Bayern Munchen, he is responsible for the transfer of young promising back Breno for the German club.

Main titles during his career
– German Bundesliga (1999/2000, 2000/2001, 2001/2002, 2003/2004)
– Campeonato Mineiro (2006)
– Champions League (2000/2001)
– German Cup (2000/2001 e 2003/2004)
– Club World Championship (2001)
– French Ligue1 (2003/2004)

Tradução de Fabricio Presilli

Estreia vitoriosa no Pan que teve medalha de ouro cassada

Com um time formado por jovens jogadores, que mais tarde se destacariam uns mais que outros, o Brasil disputou os Jogos Pan Americanos do México, com quem acabou dividindo a medalha de ouro da competição, já que a decisão fora interrompida. Mais tarde a FIFA cassaria essa medalha.

No entanto, em 14 de outubro de 1975, o Brasil estreou na competição diante da Costa Rica. Numa campanha em que o Brasil marcou 33 gols em oito jogos, o 3 a 1 da vitória sobre os costa-riquenhos foi pouco. Principalmente se comparado aos 6 a 0 na Bolívia, 7 a 0 em Trinidad e Tobago, ou ainda os 14 a 0 sobre a Nicarágua.

Fazia parte do elenco brasileiro comandado pela lenda Zizinho, jogadores que mais tarde se consagrariam no cenário nacional, como o goleiro Carlos, ainda na Ponte Preta, o lateral-direito Rosemiro, que atuava pelo Remo, o zagueiro-lateral-esquerdo Edinho, desde então no Fluminense, o volante Batista, que já atuava no Internacional e a eterna promessa Claudio Adão, que a essa altura já vestia a camisa flamenguista.

Outros tiveram algum sucesso, como Tiquinho, que jogou no Botafogo, mas foi ídolo de verdade da torcida do Ceará, ou Eudes, que se destacou com a camisa da Portuguesa, mas não deu tão certo no Cruzeiro. Marcelo Oliveira, atacante atleticano que neste novo século chegou a assumir o comando técnico da equipe, chegou a disputar a Copa América com a seleção principal no mesmo ano, mas também não virou tudo o que se imaginava dele. O zagueiro Tecão, dois anos depois, seria campeão brasileiro com o São Paulo

Alguns além de decepcionarem e viraram folclore, como o volante Alberto Leguelé. Quando disputou o Pan ainda estava no Bahia e seu futebol chamou a atenção do Flamengo, que começava a montagem do maior time da história do clube. Leguelé, porém, não jogou a mesma bola de antes, e acabou não fazendo parte daquele timaço.

Na partida, o Brasil contou com o rápido Tiquinho e com o habilidoso Cláudio Adão para marcar. Porém, talvez os adversários tenha achado que era pouco e resolveu ajudar, marcando gol contra com Vasques. O atacante Wanchope (seria o pai) foi quem diminuiu o placar.

Ficha técnica: Brasil 3 x 1 Costa Rica

Brasil
Carlos [Ponte Preta]; Rosemiro [Remo], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] e Carlinhos [Fluminense]; Alberto Leguelé [Bahia] e Batista [Internacional], (Eudes) [Portuguesa de Desportos]; Tiquinho [Botafogo], Marcelo Oliveira [Atlético Mineiro], Cláudio Adão [Flamengo] (Luís Alberto) [Fluminense] e Pitta [Corinthians]
Técnico: Zizinho.

Costa Rica
Rojas; Stupiñan, Aguero, Watson e Vasquez; Barrantes e Villalobos (Pinagua); Alvorado, Camacho, Wanchope e Gimenez (Solano)
Técnico: Desconhecido.

Data: 14 de outubro de 1975
Competição: Jogos Pan Americanos do México
Local: Estádio Azteca, na cidade do México
Árbitro: E. Mendonza

Por Raoni David

—————————————————————-

A win in the first game of the Pan American Games

Brazil sent to Mexico a squad with young players, some of them would turn out to be regulars in the Seleção, and eventually won the gold medal at the final, a split decision with Mexico, that later got overturned by FIFA.

On the 14th of October in 1975 Brazil made his debut against Costa Rica. Considering that through the competition Brazil scored 33 goals in only eigth matches, the 3 scored in the Costa Ricans were just the start of a good campaign. After this game Brazil scored 6 goals against Bolivia, 7 in Trinidad and Tobago and amazing 14 over Nicaragua.

Coach Zizinho had with him some players that later would be stars locally, such as the keeper Carlos, the right back Rosemiro, left back Edinho and the forward Claudio Adão, already at Flamengo at that time.

Other players moved clubs later to be more sucessful, like Tiquinho that found love in Ceará after a passage in Botafogo, or Eudes that played well in Portuguesa after failing to make an impression in Cruzeiro. Marcelo Oliveira was a forward at Atlético Mineiro, some years ago he was hired to coach the same team, was at a Copa América roster in the 70’s, but never really prove to be what everybody thougth he could be. Leguelé is an example of a player with a good game in a small market, Salvador in Bahia, that shrinked after a transfer to powerhouse Flamengo, in Rio.

At that match, Brazil played with fast forward Tiquinho and skillful Claudio Adão, with a help from the oppponent that scored an own goal before Wanchope (the father of the one we know now) could score Costa Rica single goal of the game.

Brazil 3 x 1 Costa Rica

Brazil
Carlos [Ponte Preta]; Rosemiro [Remo], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] and Carlinhos [Fluminense]; Alberto Leguelé [Bahia] and Batista [Internacional], (Eudes) [Portuguesa de Desportos]; Tiquinho [Botafogo], Marcelo Oliveira [Atlético Mineiro], Cláudio Adão [Flamengo] (Luís Alberto) [Fluminense] and Pitta [Corinthians]
Coach: Zizinho.

Costa Rica
Rojas; Stupiñan, Aguero, Watson and Vasquez; Barrantes and Villalobos (Pinagua); Alvorado, Camacho, Wanchope and Gimenez (Solano)
Coach: Unknown.

Date: 14th october 1975
Competition: Pan American Games
Place: Azteca Stadium, Mexico City, México
Referee: E. Mendonza

Tradução de Fabricio Presilli

Goleada para acalmar os ânimos

Auxiliar técnico de Vanderlei Luxemburgo, Candinho avisava: o Brasil vai terminar o primeiro turno das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002 em segundo lugar. E com o mundo caindo sobre Luxa após a conquista da medalha de bronze em Sidney, o próprio Candinho foi o treinador na partida que colocou a Seleção Brasileira no segundo lugar.

Em oito de outubro de 2000, a seleção venezuelana seria o adversário. O Brasil, ainda comandado por Luxa, vinha de goleada sobre a Bolívia, no Maracanã, por 5 a 0, e em Maracaíbo, contra a ainda inexpressiva Venezuela (como cresceu o futebol do país de Hugo Chávez!), a história não poderia ser diferente.

Romário, que não jogaria a Copa do Mundo na Ásia, com a seleção já sob o comando de Felipão, e que estava mordido por ficar de fora das Olimpíadas, comandou a festa e balançou a rede quatro vezes. Euller e Juninho Paulista completaram a festa vascaína.

O time da Colina, que dois meses mais tarde seria campeão da Copa João Havelange, deu o tom no time do meio pra frente. Juninho Pernambucano vestiu a nove, o Paulista ficou com a dez. Romário tinha a histórica camisa 11 e Euller, jogou com a sete.

Outra curiosidade da partida, foi a pouca presença de jogadores atuando fora do país. Dos 14 que participaram do jogo, apenas cinco eram ‘estrangeiros’. Da Itália vinham Cafu e Antônio Carlos, que ainda estava na Roma, além de Vampeta, jogador do Inter de Milão. Sylvinho estava no Arsenal da Inglaterra e Zé Roberto, no Bayer Leverkusen, da Alemanha.

Ficha técnica: Venezuela 0x6 Brasil

Venezuela
Angelucci; Jimenez, Alvarado, Gonzalez e Martínez; Garcia (Savarese), Echenaussi (Arango), Farias e Rey; Ornellas e Morán (Paez)
Técnico: José Omar Pastoriza

Brasil
Rogério Ceni [São Paulo]; Cafu [Roma-ITA], Antônio Carlos [Roma-ITA], Cléber [Cruzeiro] e Sylvinho [Arsenal-ING]; Donizete Oliveira [Cruzeiro], Vampeta [Internazionale-ITA], Juninho Pernambucano [Vasco] (Zé Roberto) [Bayer Leverkusen-ALE] e Juninho Paulista [Vasco] (Ricardinho) [Cruzeiro]; Euller [Vasco] (Marques) [Atlético Mineiro] e Romário [Vasco]
Técnico: Candinho

Data: 08 de outubro de 2000
Competição: Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002
Local: Estádio Pachencho Romero, em Maracaíbo
Árbitro: Ubaldo Aquino.

Por Raoni David

———————————————————–

Tons of goals to give morale

As an assistant for coach Vanderlei Luxembrugo, Candinho warned: Brazil will finish the first half of the Qualifiyng Tournament for the 2002 World Cup in second place. With the world’s weigth on Luxemburgo’s shoulders after he managed to win only a bronze medal in the Sydney Olympics, not good enough for the brazilians considering the national team never won gold, it took up to himself to put the Seleção on that second spot he predicted.

On october 8th of 2000, the national Venezuelan team would be the opponents. Brazil’s last game was under coach Luxemburgo, a pack of 5 goals against Bolívia at Maracanã Stadium, and in Maracaibo they would play the underdog local team (how grown is local football in the land of Hugo Chavez now!), the story could not be different.

Romário, that eventually would not play in the World Cup already under coach Felipão, was holding a grudge because of being left off the Olympic Tournament, lead the way with four goals. Euller and Juninho Paulista putted to bed the Vasco party. All of them were teamates at the carioca club.

Vasco would eventually be the champion for Copa João Havelange that year, and they set the tone of the team in the front. Juninho Pernambucano worn number 9, Paulista with number 10, Romário with his historic 11 and Euller with the lucky 7.

Another curious thing that happened in that game was the slim presence of players from abroad, a tendence in brazilian national squads lately. From the 14 the played only five of them had contracts with clubs from outside Brazil. From Italy Cafu and Antônio Carlos, still in Rome, besides Vampeta that played in Internazionale, Sylvinho was in Arsenal and Zé Roberto in german club Bayer Leverkusen.

Venezuela 0x6 Brasil

Venezuela
Angelucci; Jimenez, Alvarado, Gonzalez and Martínez; Garcia (Savarese), Echenaussi (Arango), Farias and Rey; Ornellas and Morán (Paez)
Coach: José Omar Pastoriza

Brasil
Rogério Ceni [São Paulo]; Cafu [Roma], Antônio Carlos [Roma], Cléber [Cruzeiro] and Sylvinho [Arsenal]; Donizete Oliveira [Cruzeiro], Vampeta [Internazionale], Juninho Pernambucano [Vasco] (Zé Roberto) [Bayer Leverkusen] and Juninho Paulista [Vasco] (Ricardinho) [Cruzeiro]; Euller [Vasco] (Marques) [Atlético Mineiro] and Romário [Vasco]
Coach: Candinho

Date: 08th october 2000
Competition: 2002 World Cup Qualifiers
Place: Pachencho Romero Stadium, in Maracaíbo
Referee: Ubaldo Aquino.

Tradução de Fabricio Presilli

Brasil contra Nação, por Geraldo!

No dia 6 de outubro de 1976 um selecionado brasileiro recheado de craques enfrentou a equipe do Flamengo, que era o embrião daquele grande time da década de 80. Mas os craques do Brasil, e a força do time do Flamengo são quase nada, diante do motivo do jogo.

Geraldo Cleofas Dias Alves, ou simplesmente Geraldo vestia a camisa 8 do Flamengo ao lado do camisa 10, Zico. Isso ainda nas categorias de base do clube. Cresceram juntos no futebol profissional e os dribles de Geraldo completavam os de Zico e ambos fizeram grande dupla inclusive na conquista do Campeonato Carioca de 1974.

No ano seguinte, convocado por Osvaldo Brandão, jogou a Copa América pela Seleção Brasileira, onde ainda reencontraria o amigo Zico no ano seguinte, para a conquista da Copa Roca. Até que no dia 26 de agosto de 1976, Geraldo foi realizar uma cirurgia para retirada das amídalas e acometido por um choque anafilático, faleceu, vítima de uma parada cardíaca.

O amistoso disputado no estádio do Maracanã foi beneficente, para arrecadar fundos para a família do jogador, que faleceu aos 22 anos. As substituições foram ilimitadas, e até Pelé, à época, já no Cosmos, jogou e como titular, ao lado de Rivellino, Clodoaldo, Jairzinho, Marco Antônio, Piazza, Zé Maria, Carlos Alberto e Félix, companheiros do tri em 70, no México.

O time flamenguista não vivia grande fase, tanto que viu neste ano o Fluminense (base da seleção neste amistoso) ser campeão carioca sobre o Vasco. Mas já contava com boa parte dos jogadores que mais tarde fariam história no maior time da história do clube, como Andrade, Rondinelli, Júnior, Júlio César, Adílio e claro, Zico. Com gols de Paulinho e Luís Paulo, o time rubro-negro venceu.

Mas só em campo. Pois quem ganhou mesmo foi a memória do futebol brasileiro, que homenageou mais um craque que se foi cedo demais!

Ficha técnica: Brasil 0x2 Flamengo

Brasil
Félix [Fluminense] (Leão) [Palmeiras]; Carlos Alberto Torres [Fluminense] (Wladimir) [Corinthians], Marinho Peres [Internacional] (Zé Maria) [Corinthians], Piazza [Cruzeiro] (Beto Fuscão) [Grêmio] e Marco Antônio [Vasco] (Rodrigues Neto) [Fluminense]; Clodoaldo [Santos] (Givanildo) [Santa Cruz], Rivellino [Fluminense] (Ademir da Guia) [Palmeiras] e Pelé [NY Cosmos] (Dada Maravilha) [Internacional]; Jairzinho [Cruzeiro] (Gil) [Fluminense], Paulo César Caju [Fluminense] (Neca) [Corinthians] e Edu Bala [Palmeiras] (Valdomiro) [Internacional]
Técnico: Osvaldo Brandão.

Flamengo
Cantarelli; Dequinha, Jaime (Andrade), Rondinelli (Paolino) e Júnior; Merica (Zé Roberto), Tadeu (Dendê) e Zico (Júnior Brasília); Paulinho (Adílio), Luís Paulo (Júlio César) e Luizinho (Marciano)
Técnico: Cláudio Coutinho.

Data: 06 de outubro de 1976
Competição: Amistoso não oficial
Local: Estádio jornalista Mário Filho (Maracanã)
Árbitro: Armando Marques
Gols: Paulinho e Luís Paulo (FLA)

Saiba mais sobre Geraldo: http://anacaorubronegra.blogspot.com/2007/04/um-craque-chamado-geraldo.html

Por Raoni David

—————————————————————-

Brazil vs nation, honoring Geraldo!

On the 06th of october in 1976 a national squad filled with great players faced a Flamengo squad, at that time Flamengo formed the backbone of the national team. But Brazil’s players and Flamengo’s strenght are small towards the real reason for the match.

Geraldo Cleofas Dias Alves, or simply Geraldo, worn Flamengo’s 8, playing alongside Zico. That story between them started in the youth academy of Flamengo, they grown togheter to the main squads and Geraldo’s ability alongside with Zico made a great midfield, even winning the Campeonato Carioca in 1974.

By next year, called from coach Osvaldo Brandão, he played in Copa América for the Seleção, finding again his longtime friend the following year to play the Copa Roca. But on the 26th of august Geraldo went to the hospital for a routine tonsil removal and passed away because of complications during the procedure, he was 22 years old.

The friendly match played at Maracanã was a fund raiser for Geraldo’s family, there were no limit to substitutions, even Pelé, at that time playing in the New York Cosmos, played in the first team, alongside with Rivellino, Clodoaldo, Jairzinho, Marco Antônio, Piazza, Zé Maria, Carlos Alberto and Félix, teamates from the 1970 World Cup.

The Flamongo squad was not in the best record, insomuch that rival Fluminense won the Campeonato Carioca over Vasco that year. But Flamengo already had the base that some years later would be the greatest team in the club’s history. Players like Andrade, Rondinelli, Júnior, Júlio Cesar, Adílio and, of course, Zico. With goals from Paulinho and Luís Paulo, Flamengo won.

But only on the field, because who really became proud was the history of brazilian football, with a recognition to a player that went too soon.

Brasil 0x2 Flamengo

Brasil
Félix [Fluminense] (Leão) [Palmeiras]; Carlos Alberto Torres [Fluminense] (Wladimir) [Corinthians], Marinho Peres [Internacional] (Zé Maria) [Corinthians], Piazza [Cruzeiro] (Beto Fuscão) [Grêmio] and Marco Antônio [Vasco] (Rodrigues Neto) [Fluminense]; Clodoaldo [Santos] (Givanildo) [Santa Cruz], Rivellino [Fluminense] (Ademir da Guia) [Palmeiras] and Pelé [NY Cosmos] (Dada Maravilha) [Internacional]; Jairzinho [Cruzeiro] (Gil) [Fluminense], Paulo César Caju [Fluminense] (Neca) [Corinthians] and Edu Bala [Palmeiras] (Valdomiro) [Internacional]
Coach: Osvaldo Brandão.

Flamengo
Cantarelli; Dequinha, Jaime (Andrade), Rondinelli (Paolino) and Júnior; Merica (Zé Roberto), Tadeu (Dendê) and Zico (Júnior Brasília); Paulinho (Adílio), Luís Paulo (Júlio César) and Luizinho (Marciano)
Coach: Cláudio Coutinho.

Date: 06th october 1976
Competition: Friendly
Place: Mário Filho Stadium (Maracanã)
Referee: Armando Marques
Goals: Paulinho and Luís Paulo (FLA)

More on Geraldo: http://anacaorubronegra.blogspot.com/2007/04/um-craque-chamado-geraldo.html

Tradução de Fabricio Presilli