Oito santistas representam a seleção que derrota a Alemanha

Pouco menos de um ano depois de conquistar o bicampeonato mundial na Copa do Mundo no Chile e antes de o Santos fazer o mesmo, a Seleção Brasileira, sob o comando de Aymoré Moreira, enfrentou no dia cinco de maio a Alemanha Ocidental, em Hamburgo e venceu por 2 a 1, com gols dos santistas Coutinho e Pelé.

Gols de santistas nestes jogos, aliás, era o mais óbvio de se acontecer. O treinador brasileiro convocou neste dia nada mais nada menos que oito jogadores que vinha da Vila Belmiro. Muitos deles, como o goleiro Gilmar, o volante e capitão Zito, Pelé e Pepe, eram bicampeões com a seleção. Mengálvio e Coutinho estavam no time de 1962, Lima ainda não havia ido à uma Copa, o que faria três anos depois, e Dorval jamais teve a oportunidade.

De todo modo é impressionante a quantidade de jogadores de uma única equipe, sem que houvesse qualquer coisa combinada, ou seja, Aymoré Moreira simplesmente convocou para a partida na Alemanha, o que achou que fosse melhor no momento.

E o melhor, para aquele dia, estava mesmo em São Paulo. Além de Gilmar no gol, e Lima na lateral, a defesa era formada por outros dois paulistas: Eduardo, do Corinthians e Roberto Dias, do São Paulo no miolo. Na lateral-esquerda o único fora do estado: Rildo, do Botafogo, o outro grande time da época.

Na linha de frente, claro, os santistas. Zito ainda fazendo parte mais da defesa que do ataque. E o famoso melhor ataque de todos os tempos: Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.

Dos outros brasileiros, os não-santistas, apenas o lateral-esquerdo Rildo, disputaria uma Copa do Mundo, a de 1966, com a camisa 9, mas na época, sem jogar no Botafogo, e sim, no Santos. Eduardo e Roberto Dias, a dupla de zaga neste dia, jamais foram a um mundial.

Campeã nove anos antes e onze anos depois, a Alemanha vivia exatamente um momento de entre safra no seu futebol. Tanto que neste time, não havia nenhum campeão mundial. Isso não quer dizer que fosse um time fraco, pois já começava a ser montado o time que disputaria a final da Copa do Mundo de 1966 contra a Inglaterra. Schnelinger, Schulz e Seeler, perderam para o Brasil, e a final do mundial, mais tarde.

O primeiro tempo terminou com os donos da casa em vantagem, já que Jurgen Werner abriu o marcador aos 32 minutos. Entrosada, a dupla de ataque santista funcionou na segunda etapa. Aos 14 minutos, o menos badalado da dupla, Coutinho empatou a partida. E aos 27, o Rei Pelé deixou a sua marca para derrotar o futuro vice-campeão mundial da Copa em que o Brasil passaria um dos maiores vexames da história.

Ficha técnica: Alemanha Ocidental 1 x 2 Brasil

Alemanha Ocidental: Fahrian, Novak, Schnelinger, Wildenx – Schulz, Werner – Heiss, Schuetz, Seeler, Konietzka (Strehl), Doerfeu.
Técnico: Josef “Sepp” Herberger.

Brasil: Gilmar I [Santos]; Lima [Santos], Eduardo I [Corinthians], Roberto Dias [São Paulo] e Rildo [Botafogo]; Zito [Santos] e Mengálvio [Santos]; Dorval [Santos], Coutinho [Santos], Pelé [Santos] e Pepe [Santos].
Técnico: Aymoré Moreira.

Data: 5 de maio de 1963.
Competição: Amistoso.
Local: Volksparkstadion, em Hamburgo, na Alemanha.
Público: 76.400 pagantes.
Árbitro: Dientz Gottfried (Suíça).
Gols: Werner aos 32′ do 1ºT; Coutinho aos 14 e Pelé aos 27′ do 2ºT.

Por Raoni David
—————————————————————-

Brazil defeats West Germany in 1963

A year after winning its second consecutive world title in Chile, and just before Santos FC second title, the national team, under coach Aymoré Moreira, faced off West Germany in Hamburg, winning 2 to 1 with goals from Santos stellar duo Coutinho and Pelé. Santos formed the backbone of the Seleção back then, with eigth players in the initial roster, from world champions Gilmar, Zito, Pepe and Pelé to Lima and Dorval.

Besides the Santos crowd the team had Eduardo from Corinthians and Roberto Dias from São Paulo in the back and Rildo, that played in Botafogo, at the left tackle.

The germans wee in between two great eras, however that team proved to be really good with a runner-up spot in 1966 in England.
Werner opened the score at the first half, but the Santoduo tied in the second hald, giving Brazil a win on the road.

West Germany 1 x 2 Brazil

West Germany: Fahrian, Novak, Schnelinger, Wildenx – Schulz, Werner – Heiss, Schuetz, Seeler, Konietzka (Strehl), Doerfeu.
Coach: Josef “Sepp” Herberger.

Brazil: Gilmar I [Santos]; Lima [Santos], Eduardo I [Corinthians], Roberto Dias [São Paulo] and Rildo [Botafogo]; Zito [Santos] and Mengálvio [Santos]; Dorval [Santos], Coutinho [Santos], Pelé [Santos] and Pepe [Santos].
Coach: Aymoré Moreira.

Date: May 5th, 1963.
Competition: Friendly
Place: Volksparkstadion, Hamburg, West Germany.
Attendance: 76.400
Referee: Dientz Gottfried (Switzerland).
Goals: Werner 32′; Coutinho 59′ and Pelé 72′.

Tradução de Fabricio Presilli

Grandes jogadores brasileiros: Neto

José Ferreira Neto
Posição: Meia
Nascimento: 09/setembro/1966 – Santo Antônio da Posse /SP
14 jogos – 6 gols
Primeiro jogo: 12/09/1990 – Brasil 0×3 Espanha (Amistoso)
Último jogo: 21/07/1991 – Brasil 2×0 Chile (Copa América)

Cria das categorias de base dos times campineiros, primeiro da Ponte Preta e mais tarde do Guarani, Neto se consagrou com um dos maiores batedores de falta do país nos anos 90. Ele teve passagens discretas por São Paulo e Palmeiras antes de se tornar ídolo do Corinthians, onde conquistou seus principais títulos.

Aposta do técnico Paulo Roberto Falcão em 1990, em sua tentativa mal sucedida de revitalizar o time nacional após a fracassada campanha na Copa de 1990, Neto se tornou uma peça chave no esquema do técnico, sendo inclusive capitão da equipe em diversas oportunidades.

O gol mais marcante na passagem rápida de Neto pela Seleção, e também o primeiro, foi o do amistoso contra a seleção do Resto do Mundo. Após entrar no lugar de Pelé, ainda no primeiro tempo, Neto marcou o gol de honra do Brasil e ficou com a bola do jogo, que ele guarda até hoje.

Neto foi o principal jogador do Corinthians na conquista do Campeonato Brasileiro de 1990, o principal título do Timão até então. Habilidoso meia que conseguia finalizar muito bem as jogadas, além de ser um líder natural da equipe, fato que trouxe diversos problemas a Neto durante sua carreira.

Uma das principais polêmicas vividas pelo meia foi uma discussão com o árbitro José Aparecido de Oliveira em 1991 durante um clássico contra o Palmeiras, Neto foi expulso e deu uma cusparada no juiz. Após o lance ele foi suspenso por quatro meses do futebol e ficou marcado como “problemático” em campo.

Após a passagem vitoriosa pelo Corinthians, Neto jogou na Colômbia e em outros grandes clubes do país, sem tanto sucesso. Sofrendo com problemas de tornozelo e para controlar o peso, Neto encerrou a carreira em 1999, aos 33 anos. Ele atualmente é comentarista de futebol de canais de televisão.

Principais títulos conquistados durante a carreira
– Campeonato Brasileiro (1990)
– Campeonato Paulista (1987 e 1997)
– Medalha de Prata – Jogos Olímpicos de Seul (1988)

Por Fabricio Presilli
—————————————————————–
Brazilian greats: Neto

José Ferreira Neto
Position: Midfielder
Born: 09/September/1966 – Santo Antônio da Posse /SP
14 games – 6 goals
First jogo: 12/09/1990 – Brazil 0×3 Spain (Friendly)
Last jogo: 21/07/1991 – Brazil 2×0 Chile (Copa América)

Forged in the youth academy of the clubs in Campinas, first in Ponte Preta and later at Guarani, Neto is known as one of the best free kicks shooters of Brazilian football. He played for São Paulo and Palmeiras before his remarkable years at Corinthians.

When Paulo Roberto Falcão took charge of the Seleção, his first order of bussines was to bring new faces to the team, Neto was one of those new to the national team, even becoming the team capitain sometimes. He also played in the following years Copa América.

The most important goal of Neto’s short time at the Seleção was the first, in the friendly of Pelé’s anniversary in 1990, he scored Brazil’s only goal of the match and won as a gift the ball of the game, which he keeps until these days.

Neto was the main player of Corinthians first Campeonato Brasileiro title, in 1990. A skillful lefty midfielder, that had the ability to score some goals as well, and got himself in lots of troubles during his carreer.

One of the most contreversial things he did was an altercation with referre José Aparecido de Oliveira in 1991. Neto was mad because the ref sent him out of a derby against Palmeiras, and he spited in the referre’s face. The result was a ban for four months.

After his winning years in Corinthians, Neto went to Colômbia and some other clubs in Brazil. With physical and weigth issues he had to retire in 1999, at the age of 33. He is now a commentator in Brazilian TV.

Main titles during his career
– Campeonato Brasileiro (1990)
– Campeonato Paulista (1987 and 1997)
– Silver Medal – Seoul Olympics (1988)

Tradução de Fabricio Presilli

Em 68, seleção estava longe de definir técnico e time

Reclamam da desorganização do futebol brasileiro, como se este fosse um fato atual, ou dessa geração. Como se nas gerações anteriores não houvesse bagunça… De fato, o futebol brasileiro é o único que não para o seu campeonato nas datas FIFA, por exemplo. Mas este não é um privilégio dos cartolas atuais.

Basta lembrarmos que no dia 03 de novembro de 1968, ou seja, pouco mais de um ano e meio antes da estreia na Copa de 70, o Brasil enfrentava o México em um amistoso e o técnico ainda era Aymoré Moreira. Até a disputa do Mundial, ainda passou pelo comando o jornalista João Saldanha, até que Zagallo assumisse, definitivamente.

O Brasil viveu situação semelhante antes da Copa de 2002, e coincidência ou não, com Felipão, conquistamos outro título, o quinto. Porém, no início do século vivíamos uma crise de talentos intensa. Poucas vezes o Brasil viu aparecer tão poucos jogadores.

Mas pode-se afirmar isso com relação a um time que podia contar com jogadores como Gerson, Carlos Aberto, Roberto Dias, Rivellino, Dirceu Lopes, Natal, Jairzinho, Paulo César Caju, entre outros? Creio que não, e por isso fica difícil encontrar razões para tantas mudanças de comandantes.

E tudo isso poderia ter atrapalhado a equipe brasileira no entrosamento, por exemplo. Isso porque dos doze jogadores que venceram o México por 2 a 1, cinco sequer estiveram na Copa: o goleiro Alberto, do Grêmio, o zagueiro Jurandir e o volante Roberto Dias, que jogou improvisado na zaga, ambos do São Paulo, e os cruzeirenses Dirceu Lopes e Natal.

Apenas Carlos Alberto, Everaldo, Gerson, Rivellino e Pelé, foram titulares absolutos do time que trouxe o tri. Paulo César Caju era ótima opção para o banco. Mas, na Copa, como se sabe, nada disso atrapalhou, e como se sabe, fomos campeões.

E não atrapalhou nem mesmo neste dia. Era a primeira vez que estes jogadores (de linha) jogavam juntos pela seleção, e mesmo assim venceram. No estádio do Mineirão Pelé e Jairzinho marcaram para o Brasil, enquanto que Borja descontou para os mexicanos.

Pode parecer uma vitória fácil, mas nem tanto, já que três dias antes as seleções se enfrentaram no Maracanã e os visitantes saíram vitoriosos, pelos mesmos 2 a 1

Ficha técnica: Brasil 2 x 1 México

Brasil
Alberto [Grêmio]; Carlos Alberto Torres [Santos], Jurandir III [São Paulo], Roberto Dias [São Paulo] e Everaldo I [Grêmio]; Gérson I [Botafogo], Rivellino [Corinthians] (Dirceu Lopes) [Cruzeiro] e Pelé [Santos]; Jairzinho [Botafogo], Natal [Cruzeiro] e Paulo César Caju [Botafogo]

México
Calderón; Vantolrá, Peña, Nuñez e Perez; Mungía, J. L. González (Mercado) e I. Diaz; Albino Morales (Valdivia), Borja (Cisneros) e Padilla (Fragoso)

Data: 03 de novembro de 1968
Competição: amistoso
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Carlos Robles

Por Raoni David
————————————————————-
Just two years before a title, Brazil’s squad still had a lot to consider

There are a lot of complaints nowadays as the mess over football, we may think that this is only a current event. In fact our football organization is been like that for a long time, and it doesn’t seem to get any better over time.

Back in 1968, with 18 months to the Mexican World Cup, Brazil still had at the bench Aymoré Moreira, over that 18 months span João Saldanha and Zagallo would take charge of the team. A similar thing happened before the 2002 World Cup, maybe it is just a coincidence but Brazil came home with another title.

It is difficult for us to understand the reasons why so many changes in a team that had players as Gerson, Carlos Alberto, Rivellino, Dirceu Lopes, Jairzinho, Paulo César Caju, among others. And that certainlly could got in the way of the team, an example is a friendlty with Mexico in 1968, from the 12 players that got into the field 5 never made to the World Cup, most notable are deceased São Paulo back Roberto Dias and Cruzeiro’s midfielder Dirceu Lopes.

With Carlos alberto, Everaldo, Gerson, Rivellino and Pelé as starters, and with Paulo César Caju as an excellent option in the bench, they knew the strength of the team that eventually won in Mexico. That friendly against the Mexicans was the first time they played togheter, Pelé and Jairzinho scored the goals of the winning side.

Brazil 2 x 1 Mexico

Brazil
Alberto [Grêmio]; Carlos Alberto Torres [Santos], Jurandir III [São Paulo], Roberto Dias [São Paulo] and Everaldo I [Grêmio]; Gérson I [Botafogo], Rivellino [Corinthians] (Dirceu Lopes) [Cruzeiro] and Pelé [Santos]; Jairzinho [Botafogo], Natal [Cruzeiro] and Paulo César Caju [Botafogo]

Mexico
Calderón; Vantolrá, Peña, Nuñez and Perez; Mungía, J. L. González (Mercado) and I. Diaz; Albino Morales (Valdivia), Borja (Cisneros) and Padilla (Fragoso)

Date: 03rd November 1968
Competition: Friendly
Place: Mineirão Stadium, Belo Horizonte
Referee: Carlos Robles

Tradução de Fabricio Presilli

Estrangeiros fazem a festa no cinquentenário de Pelé

Para comemorar o cinquentenário de nascimento de Pelé, a CBF organizou para o dia 31 de outubro de 1990 um amistoso entre a Seleção Brasileira, com a participação do Rei do Futebol, e o Combinado do Resto do Mundo, uma seleção dos melhores jogadores que disputaram a Copa do Mundo de 1990, ocorrida quatro meses antes. O jogo ocorreu no Estádio Giuseppe Meazza, em Milão (Itália) e teve público de 75 mil espectadores.

A Seleção passava por um momento de renovação, após a eliminação precoce para Argentina nas oitavas-de-final do Mundial daquele ano. Era apenas a terceira partida de Paulo Roberto Falcão no comando do time canarinho, e o treinador vinha de dois resultados adversos (derrota para a Espanha, em 12 de setembro, e empate sem gols contra o Chile, em 17 de outubro). Além disso, dos 20 jogadores convocados por Falcão para o amistoso-festa de Pelé, apenas Bismarck havia participado da Copa de 90, sem ter entrado em nenhuma das quatro partidas.

O Combinado do Resto do Mundo se reunia pela terceira vez contra o Brasil (a primeira foi em 1968, na despedida de Garrincha, e a outra foi em um amistoso ocorrido em março de 1989. A seleção ganhou a primeira partida e perdeu a segunda, ambos pelo placar de 2 x 1) e tinha como base os destaques da Copa do Mundo daquele ano, além de alguns destaques do Campeonato Italiano, sendo eles três brasileiros: o zagueiro Júlio César, da Juventus, o volante Alemão, do Napoli e o atacante João Paulo, do Bari (eleito o melhor estrangeiro na Itália em 1990), Completa a escalação o atacante húngaro Lajos Détari, único jogador a não participar daquele Mundial, pertencente ao Bologna.

Pelé jogou por 43 minutos, substituído por Neto. Poderia ter marcado o último gol de sua carreira se não fosse o atacante Rinaldo, do Fluminense, que protagonizou um lance que entrou para a história. O tricolor partiu pela esquerda contra apenas um zagueiro, enquanto Pelé vinha a seu lado totalmente desmarcado (propositalmente, talvez), só esperando receber a bola para marcar o gol. Rinaldo não tocou e ainda perdeu o gol.

Neto fez o gol do Brasil, de falta, enquanto o espanhol Michel (que teve um gol anulado erroneamente no jogo Brasil X Espanha, estréia das duas seleções na Copa de 86, no México) e o romeno Gheorghe Hagi, o “Maradona dos Cárpatos” marcaram os tentos do Combinado do Resto do Mundo.

Dos vinte jogadores convocados por Falcão para aquela partida, apenas Leonardo chegaria até a Copa seguinte, 1994. César Sampaio só disputaria uma copa oito anos depois, em 1998.

Ficha técnica:
BRASIL 1 x 2 RESTO DO MUNDO
Data: 31 de outubro de 1990.
Competição: Amistoso.
Local: Estádio Giuseppe Meazza, em Milão (Itália).
Público: 75.000 pagantes.
Árbitro: Túlio Lanese (Itália).
Gols: Michel 36’, Hagi 50’, Neto 60’.
BRASIL: Sérgio [Santos] depois Ronaldo [Corinthians] aos 57’; Gil Baiano [Bragantino] depois Bismarck [Vasco] aos 57’, Paulão [Cruzeiro], Adílson [Cruzeiro] depois Cléber [Atlético-MG] aos 46’ e Leonardo [São Paulo] depois Cássio [Vasco] aos 57’; César Sampaio [Santos], Donizete Oliveira [Grêmio] depois Luís Henrique [Bahia] aos 61’, Cafu [São Paulo] e Pelé [sem clube] depois Neto [Corinthians] aos 43’; Charles [Bahia] depois Valdeir [Botafogo] aos 51’ e Rinaldo [Fluminense] depois Careca Bianchezzi [Palmeiras] aos 51’. Técnico: Paulo Roberto Falcão.

RESTO DO MUNDO: Sérgio Goycoechea/ARG (Michel Preud’Homme/BEL) aos 19’ (Thomas N’Kono/CAM) aos 46’ (René Higuita/COL) aos 68’; Leo Clijsters/BEL (Emmanuel Kunde/CAM) aos 46’, Júlio César/BRA, Oscar Ruggeri/ARG (Sergej Alejnikov/BUL) aos 46’, Hugo Eduardo De León/URU (Lajos Detari/HUN) aos 46’; Michel/ESP (Gabriel Calderón/ARG) aos 46’, Alemão/BRA (José Basualdo/ARG) aos 46’, Rafael Martín Vasquez (Gheorghe Hagi/ROM) aos 46’ e Carlo Ancelotti/ITA (Enzo Francescoli/URU) aos 19’; Marco Van Basten/HOL (Hristro Stoichkov/BUL) aos 19’ e Roger Milla/CAM (João Paulo/BRA) aos 46’. Técnico: Franz Beckenbauer/ALE.

Por William Gimenes
—————————————————————–
At Pelé’s party, the whole world saluted him

To remember Pelé’s fiftieth birthday, CBF made a game between the Seleção, with the recruitment of Pelé, and a team of great players from the Rest of the World, gathering the main playes of football from the 1990 World Cup back in Italy.

The Seleção was in a turbulent renewal moment, after being eliminated from the World Cup by Argentina, that was only the third game of Falcão at the Brazilian bench. The tow previous matches were discouraging for the new guy in charge, a defeat to Spain and a tie with Chile. From the 20 players Falcão called off for this game only Bismarck went to the World Cup some months before, without any playing time, and only Leonardo made to the following World Cup, in the USA. César Sampaio was in that game and waited eigth years to play in a World Cup, in France.

That was the third time a Brazilian national team faced a gathering of players from around the world. Garricha’s farewell was in a game like that in 1968 and another friendly was played in 1989. some of the main players played in Italy, like Brazilians Júlio César of Juventus, defensive midfielder Alemão of Napoli and forward João Paulo, named best foreigner in Italy playing at Bari. Hungarian Lajos Détari was the only player at that roster that wasn’t in the World Cup, he played in Bologna.

Pelé played for 43 minutes, replaced by Neto. He could have scored his last goal if it wasn’t for Rinaldo’s choice of not sharing the ball in a counter attack that displayed Pelé open in front of the goal. Neto scored the Brazilian goal from a free kick, his specialty. Spaniard Michel and legend Romanian Gheorghe Hagi scored the Rest of the World goals.

BRAZIL 1 x 2 REST OF THE WORLD
Date: 31st October 1990
Competition: Friendly
Place: Giuseppe Meazza, Milan
Attendance: 75,000
Referee: Túlio Lanese (Italy)
Goals: Michel 36’, Hagi 50’, Neto 60’.

BRAZIL: Sérgio [Santos] (Ronaldo) [Corinthians]; Gil Baiano [Bragantino] (Bismarck) [Vasco], Paulão [Cruzeiro], Adílson [Cruzeiro] (Cléber) [Atlético-MG] and Leonardo [São Paulo] (Cássio) [Vasco]; César Sampaio [Santos], Donizete Oliveira [Grêmio] (Luís Henrique) [Bahia], Cafu [São Paulo] and Pelé [no club] (Neto) [Corinthians]; Charles [Bahia] (Valdeir) [Botafogo] and Rinaldo [Fluminense] (Careca Bianchezzi) [Palmeiras].
Coach: Paulo Roberto Falcão.

REST OF THE WORLD: Sérgio Goycoechea/ARG (Michel Preud’Homme/BEL), (Thomas N’Kono/CAM), (René Higuita/COL); Leo Clijsters/BEL (Emmanuel Kunde/CAM), Júlio César/BRA, Oscar Ruggeri/ARG (Sergej Alejnikov/BUL), Hugo Eduardo De León/URU (Lajos Detari/HUN); Michel/SPA (Gabriel Calderón/ARG), Alemão/BRA (José Basualdo/ARG), Rafael Martín Vasquez/SPA (Gheorghe Hagi/ROM) and Carlo Ancelotti/ITA (Enzo Francescoli/URU); Marco Van Basten/NED (Hristro Stoichkov/BUL) and Roger Milla/CAM (João Paulo/BRA).
Coach: Franz Beckenbauer/GER.

Tradução de Fabricio Presilli

Brasil e México dividem ouro cassado pela FIFA

Onde já se viu uma decisão do torneio de futebol de Jogos Pan Americanos terminar sem ter um vencedor? No México, em 1975. Mais precisamente no dia 25 de outubro. O estádio era o lendário Azteca, onde há pouco mais de cinco anos, o Brasil conquistava o tri da Copa do Mundo.

Brasil e México se enfrentavam na decisão da medalha de ouro, mas algo estava diferente com relação à Copa do Mundo em 70. Naquela ocasião, o time brasileiro comandado por Zagallo dava show de bola com seus cinco camisas 10: Pelé, Rivellino, Tostão, Jairzinho e Gerson, além de Clodoaldo e Carlos Alberto Torres.

Desta vez, além de o Brasil não ter tanta qualidade técnica para dar show, o adversário eram os donos da casa e por isso, a torcida que se acostumou a torcer pela seleção de camisetas amarelas, passou a hostilizar, claro, em apoio ao seu país.

E empurrados pela torcida os mexicanos foram atrás do ouro contra aqueles que tanto admiravam. E saíram na frente, com Tapia. Já no final do segundo tempo, a promessa Claudio Adão, que já estava no Flamengo, empatou cobrando pênalti. Com este resultado, o jogo foi para a prorrogação.

Neste tempo extra para a definição da medalha de ouro, conta-se, que o Brasil jogava melhor e parecia mais próximo do gol, quando apagam-se as luzes. Estava o estádio Azteca completamente às escuras. O árbitro argentino Arthur Iturralde seguiu o bom senso, e esperou até 30 minutos para que a iluminação fosse restabelecida.

Como isso não aconteceu, ambas as equipes foram declaradas campeãs do torneio de futebol dos Jogos. Mais tarde, porém, a FIFA, entidade que precisa reconhecer inclusive as partidas de futebol disputadas nas olimpíadas, para que elas sejam oficiais, cassou a medalha, invalidando assim, o jogo.

A decisão da FIFA, porém, em nada mudou o quadro de medalhas, já que o México ficou com nove de ouro, contra 19 do Canadá. No entanto, vale salientar que tivesse o Brasil ganho essa decisão, e empataria com os donos da casa o número de medalha de ouro, mas não tomaria a quarta posição, já que empatou nas pratas e perdeu no bronze.

Ficha técnica: México 1 x 1 Brasil

México
Gomez, Marquez, Viveros (V. Gomez), Garcia, Carrilo – Lugarini, Caballero, Cossio – Tapia, Rangel, Sanchez

Brasil
Carlos [Ponte Preta]; Mauro [Guarani], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] e Chico Fraga [Internacional]; Batista I [Internacional] (Bianchi) [Santos]; Eudes [Portuguesa] e Rosemiro [Remo]; Luís Alberto [Fluminense] (Marcelo) [Atlético-MG], Cláudio Adão [Flamengo] e Santos [Santa Cruz]
Técnico: Zizinho

Data: 25 de outubro de 1975
Competição: Jogos Pan Americanos
Local: estádio Azteca, na cidade do México
Árbitro: Arthur Iturralde

Por Raoni David

—————————————————————–
Brazil and Mexico split gold taken by Fifa later

When anybody ever saw a final game in a competition ending without a winner? At the Pan American Games of Mexico in 1975 that is exactly what happened.

Brazilians and Mexicans faced each other for the gold medal. Brazil returned to Mexico with a squad a lot different from the one that own their third title 5 years before in the same Stadium. In 1970 Zagallo’s team had among its stars, Pelé, Rivellino, Tostão, Gerson, Clodoald, and other great players. The 1975 team had a lot less quality and had to play against the home team, with the crowd in their favor.

With their supporters behind them Mexico scored first with Tapia, Brazil equalized late in the game with a goal from Claudio Adão, in a penalty kick conversion. The result led the game to an overtime.

History tells that Brazil was playing better in the overtime, when the lights were suddenly killed off, leaving the whole Stadium in the dark. The Argentinian referee Arthur Iturralde waited mandatory 30 minutes to the lights turn back on. However after that time the lights still out and both teams were declared winners.

A decision by Fifa later ruled that the game was not valid because it didn’t ended, that ruling didn’t have an effect in the medals board however, Mexico had other nine gold medals, against 19 conquered by Canadians for example.

Mexico 1 x 1 Brazil

Mexico
Gomez, Marquez, Viveros (V. Gomez), Garcia, Carrilo – Lugarini, Caballero, Cossio – Tapia, Rangel, Sanchez

Brazil
Carlos [Ponte Preta]; Mauro [Guarani], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] and Chico Fraga [Internacional]; Batista I [Internacional] (Bianchi) [Santos]; Eudes [Portuguesa] and Rosemiro [Remo]; Luís Alberto [Fluminense] (Marcelo) [Atlético-MG], Cláudio Adão [Flamengo] and Santos [Santa Cruz]
Coach: Zizinho

Date: 25th October 1975
Competition: Pan American Games
Place: Azteca Stadium, Mexico City
Referee: Arthur Iturralde

Tradução de Fabricio Presilli

É aniversário do Rei! Conheças suas maiores vítimas

Em 23 de outubro de 1940 nascia na cidade de Três Corações, no estado de Minas Gerais simplesmente aquele que mais tarde ficaria conhecido com o Rei do futebol: Pelé! Seus números na seleção brasileira são fantásticos: onze títulos, três deles em Copas do Mundo e uma média de 0,83 gols por jogo. Com os 95 gols que marcou em 114 jogos, é o maior artilheiro da história da Seleção Brasileira.

Uma curiosidade, porém, é com relação às principais vítimas do Rei em seus 14 anos com a camisa amarela. E ao fazer um rápido levantamento sobre isso, fica fácil entender a bronca dos argentinos. Pelé começou a sua trajetória de sucesso contra eles, marcando seu primeiro e segundo gol, em jogos diferentes. Ao todo, as redes argentinas foram balançadas em oito oportunidades.

Mesmo assim, nossos ‘hermanos’ não são as maiores vítimas do Rei, e sim o segundo país que mais vezes sofreu gols, ao lado do Chile. O dono desta façanha é o Paraguai que viu Pelé marcar dez gols em suas metas. Ainda no continente, a Venezuela tomou quatro, o Peru três, e Bolívia e Colômbia, um cada. Curiosamente Pelé jamais marcou contra o Uruguai. Contra a celeste olímpica num mesmo jogo da Copa do Mundo do México, em 1970, o Rei quase fez dois gols antológicos!

Entre os europeus, a seleção que mais buscou bolas chutadas por Pelé no fundo da rede foi a francesa. Seis vezes isso aconteceu. Porém, os suecos superam essa marca se considerados além da seleção, os clubes. Só o Malmöe levou quatro gols. Somados aos dois do A.I.K e aos três da seleção, temos nove. É ainda curioso o fato de Pelé ter marcado apenas um gol contra a Itália, justamente o que abriu caminho para a vitória da Seleção na final em 70. Bem como ante a Romênia, quando os únicos dois gols que marcou contribuíram para a vitória por 3 a 2, na mesma Copa.

Apenas quatro destes 95 gols foram sobre seleções africanas. O Egito sofreu três gols e a Argélia um. Os asiáticos, por exemplo, não tiveram a honra de ver Pelé balançar-lhes as redes. Foram 37 gols contra seleções da América e 36 em européias. Outros 13 gols foram marcados contra clubes e cinco contra combinados e seleções estaduais.

Entre os clubes que já sofreram gols de Pelé com a camisa da seleção, dois são brasileiros, e bastante tradicionais: Atlético Mineiro e Bahia tomaram um gol cada. Os espanhóis do Atlético de Madrid sofreram três gols, enquanto que os italianos da Internazionale, dois.

1º gol: Argentina: Copa Roca, 07/07/57, derrota por 2 a 1
10º gol: Suécia: Copa do Mundo (final), 29/06/58, vitória por 5 a 2
20º gol: Chile: Taça Bernardo O’Higgins, 17/09/59, vitória por 7 a 0
30º gol: Argentina: Taça do Atlântico, 12/07/1960, vitória por 5 a 1
40º gol: Argentina: Copa Roca, 16/04/1963, vitória por 5 a 2
50º gol: Bélgica: Amistoso, 02/06/65, vitória por 5 a 0
60º gol: Tchecoslováquia: Amistoso, 15/06/66, empate por 2 a 2
70º gol: Paraguai: Taça Oswaldo Cruz, 25/07/68, vitória por 4 a 0
80º gol: Venezuela: Eliminatórias para a Copa, 24/08/69, vitória por 6 a 0
90º gol: Tchecoslováquia: Copa do Mundo, 03/06/70, vitória por 4 a 1
95º gol: Áustria: Amistoso, 11/07/71, empate por 1 a 1

Por Raoni David
——————————————————————-
It’s the King’s birthday! Get to know his most usual victims.

On a 23th of October back in 1940 Pelé was born in Três Corações, in the state of Minas Gerais. His numbers with the Brazilian national squad are absolutely amazing: eleven titles (three World Cups among them), a rate of 0,83 goals per game in yellow, a total of 95 goals in 114 matches, he still is the biggest scorer of the Seleção ever.

It’s easy to see why Argentinians hated so much to play against Brazil, Pelé scored a total of 8 goals versus Argentinian goalies. His first two goals were against ‘los hermanos’. However Pelé scored more goals in Paraguay, his favourite victim, a total of 10 goals.

Chile had eigth, Venezuela four, Peru three, Bolivia and Colombia one each. Interesting is to see that Uruguay never suffered a goal from Pelé, he missed twice in the same game in the 1970 World Cup, both shots are still in our memory.

Among the europeans, France suffered six goals and Sweden three. However if you add up Swedish clubs the total number is 9, AIK took two and Malmoe another four goals. At that time was usual for national teams to play against clubs. Pelé scored just one time against Italy, in a World Cup final, and only two in Romania, also during the 1970 World Cup.

Just four of the grand total were against african squads, Egypt had three goals and Argelia one. Asians never had the honor of havig to get the ball in the net against Pelé. Breaking down he had 37 golas against teams from America, 36 versus europeans. Another 13 goals were scored against clubs or state teams.

Atlético Mineiro and Bahia suffered a goal each and Atletico Madrid had three wereas Internazionale suffered only two goals from Pelé.

1st goal: Argentina: Copa Roca, 07/07/57, defeat 2 to 1
10th goal: Sweden: World Cup (Final), 29/06/58, win 5 to 2
20th goal: Chile: Bernardo O’Higgins Trophy, 17/09/59, win 7 to 0
30th goal: Argentina: Atlântico Trophy, 12/07/1960, win 5 to 1
40th goal: Argentina: Copa Roca, 16/04/1963, win 5 to 2
50th goal: Belgium: Friendly, 02/06/65, win 5 to 0
60th goal: Czechoslovakia: Friendly, 15/06/66, tie 2 to 2
70th goal: Paraguay: Oswaldo Cruz Trophy, 25/07/68, win 4 to 0
80th goal: Venezuela: World Cup Qualifiers, 24/08/69, win 6 to 0
90th goal: Czechoslovakia: World Cup, 03/06/70, win 4 to 1
95th goal: Austria: Friendly, 11/07/71, tie 1 to 1

Tradução de Fabricio Presilli

Equilibrados, Brasil e Argentina empatam sem gols

Teoricamente, a Argentina tinha um time melhor que o brasileiro quando as seleções se enfrentaram em 21 de outubro de 1975, pela disputa dos Jogos Pan Americanos da Cidade do México. O empate, sem gols, porém, mostrou que havia muito mais equilíbrio que outra coisa na partida.

No entanto, só é possível apontar ligeiro favoritismo aos argentinos hoje, depois de mais de 30 anos. Isso porque, o Brasil, na época, tinha mais promessas. Claudio Adão, por exemplo, era apontado como o sucessor de Pelé. Marcelo Oliveira desfilava ótimo futebol no Atlético Mineiro e até Alberto Leguelé, então no Bahia, era apontado como promissor.

Já os argentinos ainda estavam um tanto longe de ser a potência futebolística da qual se tornaram nos anos que se seguiram. Tanto que são considerados o segundo celeiro de craques do mundo, perdendo apenas para o próprio Brasil. Diego Maradona, por exemplo, ainda tinha 14 anos.

Porém, dos 13 jogadores argentinos que estiveram em campo neste empate sem gols, dois defenderam a seleção em Copas do Mundo com certa relevância. O meio-campista Americo Gallego, foi titular no título de 1978, e na Copa seguinte só não enfrentou o Brasil. O atacante Daniel Valencia teve menos destaque, mas participou de quatro jogos em 78, e um, contra a Itália em 82.

O Brasil também tinha em seu time dois jogadores que participariam de Copas. Edinho que jogava de zagueiro e lateral-esquerdo, por exemplo, participou das edições de 78, 82 e 86, num total de nove jogos. Dois a menos que Gallego, com uma Copa a menos. O outro que ‘vingou’ foi o goleiro Carlos que esteve no grupos nas mesmas três edições que Edinho, e foi titular em 86, quando o Brasil foi eliminado nas quartas de final.

Apesar disso, quem esteve mais próximo da vitória foi o justamente o Brasil, já que o volante Alberto Leguelé desperdiçou uma cobrança de pênalti. O meio-campista que atuava no Bahia foi contratado pelo Flamengo em 78, logo após a conquista do hexacampeonato baiano. Porém no Rio de Janeiro não conseguiu obter o mesmo sucesso.

Assim como Claudio Adão, que apesar da reconhecida qualidade técnica, não chegou nem perto de ser Pelé. Ou Marcelo Oliveira, que quando jogador era só Marcelo, e ficou bem distante de ser o craque que despontava. Ou ainda o lateral-esquerdo Chico Fraga, campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior com o Internacional, ao lado de Falcão.

Ficha técnica: Brasil 0 x 0 Argentina

Brasil
Carlos [Ponte Preta]; Mauro [Guarani], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] e Chico Fraga [Internacional]; Alberto Leguelé [Bahia], Eudes [Portuguesa] (Pitta) [Corinthians] e Rosemiro [Remo]; Erivelto [Fluminense] (Marcelo) [Atlético-MG], Cláudio Adão [Flamengo] e Santos [Santa Cruz]
Técnico: Zizinho

Argentina
Suarez; Galvan, Marillak, Espinoza e Gallego; Cardenas, Salinas (Caballos) e Silva; Tello (Farias), Valência e Cebalos

Data: 21 de outubro de 1975
Competição: Jogos Pan Americanos
Local: estádio Azteca, na Cidade do México
Árbitro: R. Gonzalez

Por Raoni David
—————————————————————-

A tie with Argentina in a close match.

Argentina had a better tem in paper when the tw powerhouses faced each other in the Pan Am Games in 1975. The goaless draw showed that the game was even closer than anyone could guess.

However you can only point to the teams good players after knowing what their carreer became over time. Brazil had a promising forward in Claudio Adão, Marcelo Oliveira was a top flight in Atlético Mineiro and even Alberto Leguelé was in a good moment in Bahia. Argentina on the other hand was far from being considered a power as it is today, their top player, Maradona, was still 14 at that time.

From the 13 players on the Argentinian field that day only two managed to be in a World Cup team as well. Midfielder America Gallego in 1978 and 1982 started several games, and Daniel Valencia, but this forward with fewer chances to show his football.

Brazil had some players that can be considered sucessful, Edinho played in three World Cups: 1978, 1982 and 1986. The keeper Carlos also went to the three World Cups, but played only in 1986 until the quarterfinal defeat to France.

Besides the lack of great players Brazil was more often closer to the goal than Argentina, they even lost a penalty kick with Leguelé, a player that failed after a move to Flamengo. Other failures were Claudio Adão and Marcelo Oliveira. Chico Fraga won the Copa São Paulo for Under 19 years old players with Falcão in Internacional, but never excelled in the adult squad.

Brazil 0 x 0 Argentina

Brazil
Carlos [Ponte Preta]; Mauro [Guarani], Tecão [São Paulo], Edinho [Fluminense] and Chico Fraga [Internacional]; Alberto Leguelé [Bahia], Eudes [Portuguesa] (Pitta) [Corinthians] and Rosemiro [Remo]; Erivelto [Fluminense] (Marcelo) [Atlético-MG], Cláudio Adão [Flamengo] and Santos [Santa Cruz]
Coach: Zizinho

Argentina
Suarez; Galvan, Marillak, Espinoza and Gallego; Cardenas, Salinas (Caballos) and Silva; Tello (Farias), Valência and Cebalos

Date: 21st October 1975
Competition: Pan American Games
Place: Azteca Stadium, México City
Referee: R. Gonzalez

Tradução de Fabricio Presilli