Fracasso na Copa Ouro previa mais uma perda de medalha dourada?

Janeiro é o mês em que as seleções pré-olímpicas mais aparecem no calendário do futebol brasileiro. A obsessão em conquistar uma medalha de ouro nos Jogos, porém, fez com que o Brasil, em 1996 disputasse uma competição profissional com o selecionado Sub 23. O resultado na Copa Ouro da Concacaf parecia prever mais um fracasso.

A vontade de entrosar o time para os Jogos Olímpicos de Atlanta era do técnico Zagallo e por um lado, o fracasso não foi absoluto. Após golear o Canadá e Honduras e vencer os Estados Unidos pelo placar mínimo, o adversário brasileiro na decisão do campeonato seria o forte México, que assim como as outras seleções, contava com sua equipe principal.

Jorge Campos no gol, Garcia Aspe no meio de campo além de Blanco e Hernandes no ataque, eram os destaques da equipe. Apesar do bom time, a caminhada até a decisão não foi lá grandes coisas. Duas vitórias magras contra a Guatemala na primeira fase e na semifinal. Facilidade apenas contra São Vicente e Granada: 5 a 0.

Zagallo iniciava a montagem do time que ainda disputaria o Pré-Olímpico e mais tarde os Jogos de Atlanta. Tanto que dos jogadores que disputaram a final diante do México, seis estiveram na derrota por 1 a 0 para o Japão, já na disputa olímpica nos Estados Unidos. Dida, Zé Maria, Flávio Conceição, Amaral, Zé Elias e Sávio estiveram em ambos os fracassos.

Em campo, o Brasil resistiu ao primeiro tempo, que terminou empatado sem gols. Na segunda etapa, porém, mais experiente, o time mexicano chegou à vitória. Com oito minutos, Luís Garcia marcou o primeiro e aos 29, já na reta final da partida, o polêmico atacante Blanco decretou a derrota brasileira.

Ficha técnica

Brasil 0x2 México
Data: 21 de janeiro de 1996
Competição: Copa Ouro da Concacaf
Local: Memorial Coliseum, em Los Angeles, nos Estados Unidos
Público: 88.155 pagantes
Árbitro: Ramesh Rahmdan (Trinidad e Tobago).
Expulsão: André Luiz
Gols: Luís Garcia aos 8 e Blanco aos 29 minutos do 2º tempo

Brasil: Dida [Cruzeiro]; Zé Maria II [Portuguesa], Narciso [Santos], Carlinhos II [Guarani] e André Luiz I [São Paulo]; Amaral II [Palmeiras] (Beto) [Botafogo], Flávio Conceição [Palmeiras], Arílson [Kaiserslautern](Zé Elias) [Corinthians] e Jamelli [Santos] (Leandro Machado) [Internacional]; Caio [Internazionale] e Sávio [Flamengo].
Técnico: Zagallo.

México: Jorge Campos; Gutiérrez, Suárez, Davino e Villa; Lara, Del Olmo (Pelaez), García Aspe e Ramírez; Luís García e Blanco (Hernández).
Técnico: Velibor “Bora” Milutinovic.
Por Raoni David
————————————————————————————-
Failure at the Gold Cup was not a good omen for a Olympic year

January is the month were pre-olympic tournaments Always show up. The Brazilian obsession to win a gold medal in 1996 made the National FA to line up the Olympic squad to some major tournaments, like the Concacaf Gold Cup.

Zagallo wanted to take advantage of the matches to get all players together and it was not all bad News for the Brazilians. After blowout wins over Canada and Honduras and a slim one over USA, Brazil had to face their toughest opponent at the final match, Mexico.

The Aztecas had flamboynat goalkeeper Jorge Campos, Garcia Aspe led the midfielder and forwards Blanco and Hernandes made o lot of goals together. Mexico managed to reach the final after two wins over Guatemala and a blowout against Saint Vincent and Grenadines.

Zagallo was starting to make the team that would play in the pre-Olympic tournament and later on at the Atlanta Games. Only six players that lined up against Mexico were at the Olympics loss to Japan, Dida, Zé Maria, Flávio Conceição, Amaral, Zé Elias and Sávio.

At the pitch Brazil could resist in the first half only to surrender two goals after intermission, Luís Garcia opened the score and Blanco sealed the final score with the Mexico win.

Brazil 0x2 Mexico
Date: January 21st, 1996
Competition: Concacaf Gold Cup
Place: Memorial Coliseum, Los Angeles.
Attendance: 88.155
Referee: Ramesh Rahmdan (Trinidad & Tobago)
Red Card: André Luiz
Goals: Luís Garcia 53’ and Blanco 74’.

Brazil: Dida [Cruzeiro]; Zé Maria II [Portuguesa], Narciso [Santos], Carlinhos II [Guarani] and André Luiz I [São Paulo]; Amaral II [Palmeiras] (Beto) [Botafogo], Flávio Conceição [Palmeiras], Arílson [Kaiserslautern](Zé Elias) [Corinthians] and Jamelli [Santos] (Leandro Machado) [Internacional]; Caio [Internazionale] and Sávio [Flamengo].
Coach: Zagallo.

Mexico: Jorge Campos; Gutiérrez, Suárez, Davino and Villa; Lara, Del Olmo (Pelaez), García Aspe and Ramírez; Luís García and Blanco (Hernández).
Coach: Velibor “Bora” Milutinovic.

Tradução de Fabricio Presilli

Em amistoso isolado, Zagallo esboça olímpicos e Sávio brilha

O técnico da Seleção Brasileira era Mário Jorge Lobo Zagallo e com o status de tetracampeão conquistado a pouco mais de três meses, o ‘velho lobo’ resolveu em um amistoso isolado, testar a seleção que mais tarde disputaria os Jogos Olímpicos de 1996, em Atlanta nos Estados Unidos.

Assim, em 19 de outubro de 1994 entrava em campo um selecionado de promessas brasileiras para enfrentar o Chile, fora de casa. Com grande destaque para a apresentação de Sávio, do Flamengo que marcou três gols, o Brasil goleou por 5 a 0. No ano seguinte o rápido atacante canhoto faria parte do que ficou conhecido como melhor ataque do mundo, com Sávio, Romário e Edmundo, no mesmo time rubro-negro, mas o sucesso não foi o que esperavam. Os outros dois gols do time do Brasil foram marcados por Amoroso e Marques.

No entanto, a base daquele time era o Corinthians, especialmente no meio de campo que contava com Zé Elias, Marcelinho Paulista e Souza. O ataque ainda tinha o rápido Marques. Alguns criticaram as escolhas de Zagallo, mas também no ano seguinte, estes jogadores mostraram que tinham virtudes e foram a espinha dorsal do time corintiano que venceu o Grêmio na decisão da Copa do Brasil.

Do time brasileiro, porém, nenhum dos jogadores chegou a disputar uma Copa do Mundo, e a grande maioria teve passagem bem curta com a camisa canarinho. Exceções foram o atacante Amoroso, o goleiro Danrlei, e o próprio Sávio, que chegaram a ser convocados em outros anos, e por outros treinadores. Os dois últimos, aliás, assim como Zé Elias, Marcelinho Paulista e o lateral-esquerdo André Luiz, à época no São Paulo, foram os únicos que participaram deste jogo e estiveram no grupo que ficou com o bronze nas Olimpíadas.

Outros jogadores, porém, foram totais decepções. Em especial a dupla vascaína: o lateral-direito Bruno Carvalho e o meia-esquerda Yan. O primeiro era vigoroso e versátil. Jogava de volante, zagueiro e lateral-esquerdo. Já Yan era habilidoso. Tinha muita precisão nos passes, especialmente com a perna esquerda. Mas não vingaram. A dupla de zaga, Argel e Gélson ‘Baresi’ tiveram boas passagens por grandes times do país, mas jamais foram opções para a seleção.

O Chile, que fora humilhado em casa, tinha no meio-campista Acuña e no atacante Marcelo Salas, alguma qualidade. Tanto que não estiveram nos Jogos Olímpicos. Mais tarde, porém, formariam um bom time na disputa da Copa de 98, onde o próprio Salas, ao lado de Ivan Zamorano, eram as sensações.

Ficha técnica: Chile 0 x 5 Brasil

Chile
Corvalan (Caro); Galdavez, Gatica, Muñoz e Gonzales (Quiroga); Rojas (Guajardo), Acuña, Lizama e Valenzia; Ávila e Salas (Hormazabal)

Brasil
Danrlei [Grêmio]; Bruno Carvalho [Vasco], Argel [Internacional], Gélson [Flamengo] e André Luiz [São Paulo]; Zé Elias [Corinthians], Marcelinho Paulista [Corinthians] e Souza II [Corinthians] (Yan) [Vasco]; Amoroso [Guarani], Sávio [Flamengo] e Marques [Corinthians]
Técnico: Zagallo

Data: 19 de outubro 1994
Competição: Amistoso
Local: Estádio Regional de Concepción, no Chile
Árbitro: Carlos Robles

Por Raoni David
————————————————————-

Sávio shine at Chile

In 1994 the coach was Zagallo once again, and holding his fourth title after the World Cup he decided to test some players that later could play in the 1996 Olympics in a friendly in Chile later that year.

So the Seleção new faces went to the pitch on October 19th to face Chile. The most hype was about the forward Sávio first game, and he delivered with three goals. The other two goals came from Amoroso and Marques. Sávio played in Flamengo with Romário and Edmundo in 1995, what was called back then as the best attacking system in the world, that never was that sucessful in the field.

Many players from that team played for Corinthaisn in Brazil, a club well known for their developing youngsters skills, the midfielders Zé Elias, Marcelinho Paulista and Souza were in the national squad. Fast forward Marques was lined up as well. Criticism came from everywere to Zagallo, but that Corinthians squad won the Copa do Brasil in 1995.

From the players of that friendly however none managed to stay in the Seleção for a World Cup, in fact many of them struggled to be called off once again. Only Zé Elias, Marcelinho Paulista and André Luiz were in the bronze winning medal Olympic group in 1996.

Some players got lost in a promising carreer, like Bruno Carvalho and Yan, both from Vasco, and the backs Argel and Gérson ‘Baresi’, that played for some major clubs in Brazil, but never in the Seleção.
Chile could rely on Acuña and star forward Marcelo Salas. They couldn’t qualify to the Olympics, but in the 1998 World Cup Chile had a great team, with power forwads Marcelo Salas and Zamorano leading.

Chile 0 x 5 Brazil

Chile
Corvalan (Caro); Galdavez, Gatica, Muñoz and Gonzales (Quiroga); Rojas (Guajardo), Acuña, Lizama and Valenzia; Ávila and Salas (Hormazabal)

Brasil
Danrlei [Grêmio]; Bruno Carvalho [Vasco], Argel [Internacional], Gélson [Flamengo] and André Luiz [São Paulo]; Zé Elias [Corinthians], Marcelinho Paulista [Corinthians] and Souza II [Corinthians] (Yan) [Vasco]; Amoroso [Guarani], Sávio [Flamengo] and Marques [Corinthians]
Coach: Zagallo

Date: 19th October 1994
Competition: Friendly
Place: Regional Stadium of Concepción, Chile
Referee: Carlos Robles

Tradução de Fabricio Presilli