Na estreia da melhor ‘Era Parreira’, vitória contra a Iugoslávia

A Seleção Brasileira, em 1991, vivia, talvez, a sua maior crise em todos os tempos. Sem ganha uma Copa há 21 anos, e recém-eliminada da última para a maior rival Argentina, apresentando um futebol bastante burocrático, o esporte, no país, parecia fadado ao fracasso.

A esperança estava em um novo técnico. Na figura de Paulo Roberto Falcão os bons tempos estavam personificados naquele volante moderno, que sabia sair para o jogo e se transformar num meia-direita. Porém, como técnico, entre os anos de 90 e 91 foram 17 jogos e apenas seis vitórias, sete empates e quatro derrotas. Pior ainda foi Ernesto Paulo, que dirigiu a equipe num único jogo: 1 a 0 País de Gales.

Eis que no dia 30 de outubro de 1991, Carlos Alberto Parreira faria seu primeiro jogo em sua segunda passagem pela Seleção Brasileira. A partida era amistosa e o adversário um tanto mais complicado que os gauleses.

A Iugoslávia tinha um time respeitável, com destaque para Mihaijlovic, que ainda era meio-campista. Mais tarde, já veterano, se mostrou um ótimo zagueiro, especialmente por sem bom chute de esquerda. Savicevic era um meia habilidoso e o também canhoto Mijatovic era um matador nato.

Já o primeiro Brasil da melhor passagem de Parreira no comando da seleção contava com poucos nomes experientes. A grande exceção era o goleiro Carlos e o atacante Renato Gaúcho. O restante ainda não tinha seus nomes fincados no futebol brasileiro, até, principalmente pela falta de títulos conquistados.

É importante salientar, porém, que poucos não o fizeram. Dos 14 que entraram em campo, Lira, lateral-esquerdo do Grêmio e Luís Henrique, meio-campista do Palmeiras, não se firmaram como grandes nomes. O ponta-esquerda são-paulino Elivélton ficou famoso por gols importantes, mas nunca se firmou como titular em lugar algum. Já Luís Carlos Winck sempre foi apontado como um dos melhores de sua posição e por sua versatilidade, mas acabou rodando demais. E ainda tinha o Valdeir, atacante que só jogava bem no Rio.

Em compensação, Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Raí, Bebeto e Müller, tornaram-se ícones. Todos estavam na Copa de 94, quando da conquista do título brasileiro, e a quebra do jejum de 24 anos. Destes, somente Müller não teve participação direta, em campo, na conquista. Outro que teve ótima carreira, porém nem tanto na seleção, foi o zagueiro Antônio Carlos.

No jogo, Luís Henrique abriu o placar para o Brasil, que sofreu o empate com Lukic. No entanto, a dupla do Morumbi, Müller e Raí deram números finais ao jogo. Pouco mais de um ano depois, ambos, em especial o segundo, teriam atuações decisivas no primeiro título Mundial conquistado pelo São Paulo, e por Telê Santana.

Ficha técnica: Brasil 3 x 1 Iugoslávia

Brasil
Carlos [Palmeiras]; Luís Carlos Winck [Vasco] (Cafu) [São Paulo], Antônio Carlos [São Paulo], Márcio Santos [Internacional] e Lira [Grêmio]; Mauro Silva [Bragantino], Luís Henrique II [Palmeiras] e Raí [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio] (Valdeir) [Botafogo], Bebeto [Vasco] (Müller) [São Paulo] e Elivélton [São Paulo].
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Iugoslávia
F. Omerovic; B. Vujacic, D. Novak, I. Najdoski (B. Babuski) e D. Milanic (M. Stanic); V. Jugovic, S. Jokanovic, S. Mihaijlovic (S. Curcic) e D. Savicevic; P. Mijatovic (R. Vidakovic) e V. Lukic.
Técnico: Ivan Ivica Osim

Data: 30 de outubro de 1991
Competição: Amistoso
Local: estádio Dilzon Melo, em Varginha, Minas Gerais
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos

Por Raoni David
—————————————————————

At Parreira’s new debut, a win over Yugoslavians

Back in 1991 the Seleção was in the worst possible place. They had 21 years since last winnig a World title and lost in the last World Cup to the main rival, Argentina, with a heavily criticized team over its poor performance.

So the hope of the supporters turned to a change in the management position. Paulo Roberto Falcão was a defensive midfielder who knew how to treat the ball, back in th 80’s, However his adventure as coach between 1990 and 1991 lasted only 17 games, seven ties and four defeats later he was no longer the coach. Ernesto Paulo managed to be even worst, managing a game versus Wales that Brazil lost 1 to 0.

And by the end of October of 1991, Carlos Alberto Parreira would debut in his second term as national coach. The friendly had an adversary way togher than Wales. Yugoslavia had a very good team, players like Mihaijlovic, Savicevic and Mijatovic, all in the history books of the Balkans coutries, were in that team.

Brazil on the other hand had only a few experienced players to rely on, the forward Renato Gaúcho and keeper Carlos were the big names, all the others hadn’t had a chance to shine locally yet.

From the 14 players Parreira put on the field that day, only left back Lira and midfielder Luís Henrique never really made an impact in the big teams. Elivélton became known as a guy that scored important goals, mostly as a backup in São Paulo. Luís Carlos Winck was recognized as one of the best rigth backs in the country, but several club changes left him off the Seleção, and forward Valdeir made his name in Rio, but only there.

Parreira took several players from this match to the World Cup in 1994, Cafu, Márcio Santos, Mauro Silva, Raí, Bebeto and Muller went to the USA. Aside of the last one, all of them played na importan role in the World Cup. Another player that had good years in clubs but never excelled in Seleção was Antônio Carlos.

Luís Henrique scored Brazil’s first goal, Lukic tied before the couple from São Paulo, Muller and Raí, gave final numbers to the match. A little over a yera later both won the Club World Championship with Telê Santana over Barcelona.

No jogo, Luís Henrique abriu o placar para o Brasil, que sofreu o empate com Lukic. No entanto, a dupla do Morumbi, Müller e Raí deram números finais ao jogo. Pouco mais de um ano depois, ambos, em especial o segundo, teriam atuações decisivas no primeiro título Mundial conquistado pelo São Paulo, e por Telê Santana.

Brazil 3 x 1 Yugoslavia

Brazil
Carlos [Palmeiras]; Luís Carlos Winck [Vasco] (Cafu) [São Paulo], Antônio Carlos [São Paulo], Márcio Santos [Internacional] and Lira [Grêmio]; Mauro Silva [Bragantino], Luís Henrique II [Palmeiras] and Raí [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio] (Valdeir) [Botafogo], Bebeto [Vasco] (Müller) [São Paulo] and Elivélton [São Paulo].
Coach: Carlos Alberto Parreira

Yugoslavia
F. Omerovic; B. Vujacic, D. Novak, I. Najdoski (B. Babuski) and D. Milanic (M. Stanic); V. Jugovic, S. Jokanovic, S. Mihaijlovic (S. Curcic) and D. Savicevic; P. Mijatovic (R. Vidakovic) and V. Lukic.
Coach: Ivan Ivica Osim

Date: 30th October 1991
Competition: Friendly
Place: Dilzon Melo Stadium, Varginha, Minas Gerais
Referee: Wilson Carlos dos Santos

Tradução de Fabricio Presilli

Durante longo período de invencibilidade, Brasil goleia bulgáros

A partir de maio de 1981, a Seleção Brasileira, que já tinha Telê Santana como treinador desde o início do ano anterior, fez apenas amistosos e ficou invicto, vencendo equipes como a Inglaterra, França, Alemanha Ocidental e Espanha. No último destes amistosos, em 28 de outubro, o adversário foi a Bulgária.

O time europeu nunca foi grande coisa, e não era diferente nestes anos. Pelo contrário. A fragilidade fica bem clara na campanha da Eliminatória para a Eurocopa de 1980, realizada na Itália. Em oito jogos venceu apenas dois, teve um empate e cinco derrotas. Fez seis gols e sofreu 14.

O Brasil, por sua vez, vinha de uma sequência de 13 jogos sem derrota. A última havia acontecido em janeiro do mesmo ano, por 2 a 1, para o Uruguai. O time de Telê ainda ficaria 24 jogos sem perder. Foi um jejum entre janeiro de 81 e julho de 82, quando na Copa do Mundo, o time mágico brasileiro foi derrotado pela Itália, por 3 a 2.

Contra a fraca Bulgária, no último jogo do ano, o forte Brasil, jogando no estádio Olímpico, em Porto Alegre não poderia fazer diferente, e se impôs: 3 a 0. O atacante vascaíno Roberto Dinamite e os flamenguistas Zico e Leandro, marcaram os gols brasileiros.

Na equipe, poucos remanescentes da Copa de 78, e sim, já um bom esboço do que seria o time no ano seguinte. A zaga, por exemplo, já estava formada, com Valdir Peres, Leandro, Oscar, Luizinho e Júnior. O meio de campo, já tinha quase tudo pronto. Faltava Falcão, que desde a transferência para a Roma, não vestira mais a camisa da seleção. Só voltou ao time em maio de 82, dois jogos antes da Copa.

A principal diferença, porém, era na disposição tática e no ataque do time. Telê tinha em Paulo Isidoro um meia-atacante que caia mais pelas pontas, quase como um ponta-direita. Do outro lado, Mário Sérgio era o ponta, exercendo a função de seria de Éder Aleixo na Copa, e Roberto Dinamite ocupava a área, o que Serginho Chulapa faria depois.

A grande novidade, no entanto, foi a experiência de Telê com o volante Rocha, do Botafogo, que entrou no lugar de Toninho Cerezo na segunda etapa. O jogador que depois teria boa passagem pelo Palmeiras, porém, não deve ter agradado, pois nunca mais voltou a disputar uma partida com a seleção.

Ficha técnica: Brasil 3 x 0 Bulgária

Brasil
Valdir Peres [São Paulo](Paulo Sérgio) [Botafogo]; Leandro [Flamengo], Oscar [São Paulo], Luizinho [Atlético-MG] e Júnior I [Flamengo]; Toninho Cerezo [Atlético-MG] (Rocha) [Botafogo], Sócrates [Corinthians] e Zico [Flamengo]; Paulo Isidoro [Grêmio], Roberto Dinamite [Vasco] e Mário Sérgio [São Paulo]
Técnico: Telê Santana

Bulgária
Donev; Petrov, Marinov, Iliev e Alexandrov; Mladenov, Sadkov (Kurdov) e Chavdarov (Murlev); Valchev, Pachev (Iskrenov) e Argirov (Balakov).
Técnico: Danko Roev

Data: 28 de outubro de 1981
Competição: amistoso
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre
Árbitro: Luiz Carlos Félix

Por Raoni David
—————————————————————
Unbeatable Brazil blowout Bulgaria

By May 1981, already with coach Telê Santana from the previous year, Brazil played several friendlies, some against powerhouses such as England, France, West Germany and Spain, and managed to stay unbeatable, Bulgaria was the adversary on October 28th.

The Europeans never had a great team, the record showed that Bulgaria wasn’t yet in the route to become a respected team of football. The Bulgarians played eigth matches for the Qualifying Tournamento to the Euro 1980, with only two wins and six goals scored.

On the other hand Brazil was in a sequency of 13 unbeatable games, last defeated in January by Uruguay, the team went on to get a total of 24 games without losing one, only at the World Cup in 1982 to the Italians.

Against the weak Bulgarian squad Brazil played the last game of the year. Performing at home in Porto Alegre Brazil hit the net three times for a convincing win. Roberto Dinamite, Zico and Leandro were the scorers.

In the Seleção a new team was being formed for the 1982 World Cup, in the back a defense with Valdir Peres, Leandro, Oscar, Luizinho and Júnior. The midfield was missing Falcão, that came back to the team just two games before the World Cup.

The main difference from that team to the one that finished third in Argentina was the on field display, Telê had an attacking midfielder, Paulo Isidoro, that loved to be a rigth winger. Mário Sérgio was the left winger, replaced by Éder Aleixo by 1982 and Roberto Dinamite was the striker from the middle, Serginho Chulapa replaced him in the World Cup.

Telê made some experiments with the defensive midfielder Rocha in that game, replacing Toninho Cerezo in the second half. However the coach probably not liked what he saw beacuse Rocha was never called off to the Seleção again.

Brazil 3 x 0 Bulgaria

Brazil
Valdir Peres [São Paulo](Paulo Sérgio) [Botafogo]; Leandro [Flamengo], Oscar [São Paulo], Luizinho [Atlético-MG] and Júnior I [Flamengo]; Toninho Cerezo [Atlético-MG] (Rocha) [Botafogo], Sócrates [Corinthians] and Zico [Flamengo]; Paulo Isidoro [Grêmio], Roberto Dinamite [Vasco] and Mário Sérgio [São Paulo]
Coach: Telê Santana

Bulgaria
Donev; Petrov, Marinov, Iliev and Alexandrov; Mladenov, Sadkov (Kurdov) and Chavdarov (Murlev); Valchev, Pachev (Iskrenov) and Argirov (Balakov).
Coach: Danko Roev

Date: 28th October 1981
Competition: Friendly
Place: Olímpico Stadium, Porto Alegre
Referee: Luiz Carlos Félix

Tradução de Fabricio Presilli

Brasil conquista duas taças no mesmo dia!

É famosa a história de que o expressinho do São Paulo, no começo da década de 90, sob o comando de Telê Santana jogou duas partidas por competições diferentes num mesmo dia. O que pouca gente sabe é que este fato curioso já aconteceu com a Seleção Brasileira, em 22 de outubro de 1922.

E não foram quaisquer adversários, e nem jogos sem relevância. Para decidir o Campeonato Sul Americano, que mais tarde seria chamado de Copa América, fez-se necessário um jogo desempate contra os paraguaios. No mesmo dia, haveria a disputa da Copa Roca, contra os argentinos.

A seleção que já estava na disputa da Copa América disputada no estádio das Laranjeiras no Rio de Janeiro e que pode ser considerada a principal, ou a que contava com os melhores jogadores da época, seguiu na disputa e não decepcionou ao vencer o Paraguai por 3 a 0.

A base do time era paulista, com sete jogadores contra quatro dos cariocas. Formiga do Paulistano marcou duas vezes, e Neco do Corinthians uma, decretando a vitória brasileira, e o segundo título da competição na história.

E o que fazer com a disputa da tradicional Copa Roca, contra os argentinos, marcada para acontecer em São Paulo, no estádio Parque Antártica? A confederação, à época a CBD, convocou um segundo time, em que os paulistas novamente eram maioria. Apenas dois jogadores eram cariocas. Vale lembrar que no histórico dos confrontos entre os países havíamos perdido quatro e vencido três jogos, em nove disputados.

Aliás, a última vitória brasileira havia sido há sete dias, pela Copa América, por 2 a 0. O Brasil jogou com o time que derrotou o Paraguai e foi campeão, e a Argentina era praticamente a mesma que jogaria também a Copa Roca, uma vez que já estavam em solo brasileiro.

Pois não é que o time ‘B’ do Brasil venceu. E os visitantes ainda saíram na frente. Porém, Gambarotta, mais um corintiano, marcou duas vezes e o Brasil venceu por 2 a 1.

Confira abaixo, as duas fichas-técnicas.

Campeonato Sul Americano: Brasil 3 x 0 Paraguai

Brasil
Kuntz [Flamengo];Palamone [Botafogo] e Bartô II [AA São Bento-SP]; Laís [Fluminense], Amílcar [Corinthians] e Fortes [Fluminense]; Formiga [Paulistano], Neco [Corinthians], Heitor Domingues [Palestra Itália], Tatu [Corinthians] e Rodrigues I [Corinthians]
Técnico: Comissão

Paraguai
Denis; Gonzalez e Paredes; Miranda, Fleitas Solich e Benitez; Schaere, Capdeville, Lopez, Rivas e Prates
Técnico: Manuel Fleitas Solich

Data: 22 de outubro de 1922
Competição: Campeonato Sul Americano
Local: Estádio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro
Árbitro: Servando Perez

Copa Roca: Brasil 2 x 1 Argentina

Brasil
Mesquita [Portuguesa]; Grané [Ypiranga-SP] e Clodô [Paulistano]; Abatte [Paulistano], Faragassi [Ypiranga-SP] e Nesi [São Cristóvão]; Leite de Castro [Botafogo] (Brasileiro) [Minas Gerais-SP], Zezé I [Fluminense], Gambarotta [Corinthians], Tepet [Ypiranga-SP] e Osses [Ypiranga-SP]
Técnico: Comissão

Argentina
Tesorieri; Celli e Castaldi; Chabrolin, Médici e Solari; Rivet, Chiesa, Gaslini, Francia e Cesari.

Data: 22 de outubro de 1922
Competição: Copa Roca
Local: Parque Antártica, em São Paulo
Árbitro: Antônio Carneiro de Campos

Por Raoni David
—————————————————————-
Brazil wins two titles in the same day!

There is a famous true tale in brazilian football that remembers a day back in the early 90’s when São Paulo played twice in the same day, a game for a local tournament and another for a continental one. What many people don’t know is that the Seleção also had two games in the same day, back in 1922.

And those games were valid for titles. In the final match of the South American Championship Brazil had to face Paraguay in Rio, and for the Copa Roca a game against Argentina in São Paulo.

The Seleção was already in Rio for the South American Championship, all the games were played in the Laranjeiras Field. This team beated Paraguay 3 to 0 with a great performance from Formiga and Neco, two of the majority of players that had contracts with São Paulo clubs back then.

And what about the other match in São Paulo? The Brazilian FA (at that time called CBD), called off a “second” team, mainly from players of the São Paulo league, just two guys that played in the second game were from Rio.

After just seven days of their last meeting, a 2 to 0 Brazilian win valid for the South American Championship, Brazil won again 2 to 1, with two goals from Gambarotta.

South American Championship: Brazil 3 x 0 Paraguay

Brazil
Kuntz [Flamengo];Palamone [Botafogo] and Bartô II [AA São Bento]; Laís [Fluminense], Amílcar [Corinthians] and Fortes [Fluminense]; Formiga [Paulistano], Neco [Corinthians], Heitor Domingues [Palestra Itália], Tatu [Corinthians] and Rodrigues I [Corinthians]
Coach: Staff

Paraguay
Denis; Gonzalez and Paredes; Miranda, Fleitas Solich and Benitez; Schaere, Capdeville, Lopez, Rivas and Prates
Coach: Manuel Fleitas Solich

Date: 22nd October 1922
Competition: South American Championship
Place: Laranjeiras Field, Rio de Janeiro
Referee: Servando Perez

Copa Roca: Brazil 2 x 1 Argentina

Brasil
Mesquita [Portuguesa]; Grané [Ypiranga] and Clodô [Paulistano]; Abatte [Paulistano], Faragassi [Ypiranga] and Nesi [São Cristóvão]; Leite de Castro [Botafogo] (Brasileiro) [Minas Gerais], Zezé I [Fluminense], Gambarotta [Corinthians], Tepet [Ypiranga] and Osses [Ypiranga]
Coach: Staff

Argentina
Tesorieri; Celli and Castaldi; Chabrolin, Médici and Solari; Rivet, Chiesa, Gaslini, Francia and Cesari.

Date: 22nd October 1922
Competition: Copa Roca
Place: Parque Antártica Stadium, São Paulo
Referee: Antônio Carneiro de Campos

Tradução de Fabricio Presilli

Em momento de transição, Brasil só empata com o Paraguai

Há exatos 25 anos, o Brasil visitava o Paraguai para a disputa da Copa América. Neste ano não houve país-sede, e por isso as seleções se enfrentaram por uma vaga na final da competição, contra o Uruguai, em jogos de ida e volta.

A primeira partida, em Assunção, exatamente do dia 13 de outubro terminou empatada por 1 a 1. Os donos da casa tinham como principal destaque o meia-atacante Romerito, que mais tarde se tornaria um dos grandes ídolos da história do Fluminense, inclusive na conquista do título do Campeonato Brasileiro de 1984, quando participou de 12 partidas e fez cinco gols.

E os donos da casa saíram na frente, com o atacante Morel, que marcou somente aos 25 minutos da etapa complementar. O time do Brasil, que em 1983 foi comandado por Carlos Alberto Parreira, só empatou a partida aos 43 minutos, com Éder, um dos remanescentes do time de 82.

Outros poucos dos que atuaram neste dia, estiveram no grupo da Copa anterior. Entre eles, Júnior, Renato ‘pé mucho’ e Éder Aleixo. Porém Leandro, Sócrates e Roberto Dinamite estavam em ambos os grupos, mas sequer entraram nesta partida contra o Paraguai. Zico não foi convocado, e Tita, seu companheiro de Flamengo assumiu a camisa 10. Além disso, ao contrário de Telê na Copa, ao menos neste jogo, Parreira colocou pontas no time brasileiro.

Outra curiosidade remete ao rodízio de treinadores. Depois de perder a Copa do Mundo em julho de 82, o Brasil só voltou a jogar em abril próximo e já sob o comando de Parreira. Porém, já no primeiro jogo de 84 o técnico já era Edu Antunes, o irmão do Zico. E este também não continuou em 85: Evaristo de Macedo foi quem assumiu a equipe, e ficou apenas o primeiro semestre no cargo. Em dois de junho de 1986, Telê Santana retornava ao posto que foi seu em mais uma Copa do Mundo em que saímos derrotados.

Voltando à Copa América de 83, o Brasil, em casa, voltou a empatar com o Paraguai, porém desta vez sem gols. No sorteio garantiu a vaga para final. Na decisão em dois jogos, derrota na primeira partida em Montevidéu, empate na Bahia e o vice da competição.

Ficha técnica: Paraguai 1 x 1 Brasil

Paraguai
Fernandez; Figueredo, Surian, Delgado e Torales; Florentín, Benítez (Olmedo) e Romerito; Hicks (Miño), Morel e Mendoza
Técnico: Ramon Rodriguez.

Brasil
Leão [Corinthians]; Paulo Roberto [Grêmio], Márcio Rossini [Santos], Mozer [Flamengo] e Júnior [Flamengo]; Andrade [Flamengo], Jorginho Putinatti [Palmeiras] e Tita [Flamengo] (Renato) [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio], Careca [São Paulo] e Éder Aleixo [Atlético Mineiro]
Técnico: Carlos Alberto Parreira.

Data: 13 de outubro de 1983
Competição: Copa América
Local: Estádio Defensores Del Chaco, em Assunção, no Paraguai
Árbitro: Gastón Castro
Público: 49.199 pagantes

Por Raoni David

————————————–

Tie with Paraguay

Twenty five years ago Brazil visited Paraguay to play a semifinal game of Copa América, that year the Copa didn’t had a single host as usual. So the countries met in home and away games to decide the winner that would play Uruguay in the final game.

The first match took place in Asunción, and it was a 1 to 1 tie. The home team had as a key player Romerito, that later got transferred to Fluminense in Rio de janeiro, and it is still considered one of the most important players of Fluminenese, even winning the Campeonato Brasileiro in 1984.

And the home team took the lead with a goal from Morel, atfter 70 minutes of playing. Brazil’s coach was a young Carlos Alberto Parreira, and his team tied with two minutes left in regulation time with Éder.

Éder was one of a few players that were in the World Cup one year before, Júnior, Renato and Éder Aleixo were in the starting lineup, and Leandro, Sócrates and Roberto Dinamite were backups in that game. Zico was not called of, his teamate at Flamengo, Tita, took his number 10 jersey to the field, and the biggest change in that team was the use of side forwards by coach Parreira.

Brazil had several head coaches in that span between the World Cups of 1982 and 1986. Telê Santana was the commander in 1982, and as he failed to win the Cup he was replaced by Carlos Alberto Parreira in 1983. However by the beggining of 1984 the coach was Edu Antunes, Zico’s brother. In 1985 another change in the bench, Evaristio Macedo took office, but only for one semester. By 1986 Telê was back in the bench, once again to fail in the World Cup finals.

Back to 1983, after the first draw the second game was again a tie, without goals in Brazil. At a raffle Brazil was picked to play in the final against Uruguay. The first game was a Uruguayan win in Montevideo, and after a tie in Salvador Brazil came a runner up to Uruguay that year.

Paraguay 1 x 1 Brazil

Paraguay
Fernandez; Figueredo, Surian, Delgado and Torales; Florentín, Benítez (Olmedo) and Romerito; Hicks (Miño), Morel and Mendoza
Coach: Ramon Rodriguez.

Brazil
Leão [Corinthians]; Paulo Roberto [Grêmio], Márcio Rossini [Santos], Mozer [Flamengo] and Júnior [Flamengo]; Andrade [Flamengo], Jorginho Putinatti [Palmeiras] and Tita [Flamengo] (Renato) [São Paulo]; Renato Gaúcho [Grêmio], Careca [São Paulo] and Éder Aleixo [Atlético Mineiro]
Coach: Carlos Alberto Parreira.

Date: 13th of october 1983
Competition: Copa América
Place: Defensores Del Chaco Stadium, Assuncion, Paraguay
Referee: Gastón Castro
Attendance: 49.199.

Tradução de Fabricio Presilli