Promessa flamenguista marca duas vezes, e Brasil vence a Bolívia

A Copa Odesur valia vaga para o Pan-Americano de 1987, disputado em Indianápolis, nos EUA, e que ficaria marcado pela épica vitória da Seleção Brasileira de basquete sobre a americana. Mas no futebol, o Brasil precisava se classificar para a disputa e entre tantos jogos, um deles aconteceu no dia 1º de dezembro de 1986.

O adversário era a Bolívia, que fora da altitude é sempre das equipes mais fracas que existem no futebol e o técnico brasileiro era Jair Pereira, que havia se destacado no comando do Paysandu, três anos antes, recebendo o convite para comandar equipes de base da seleção, inclusive a olímpica.

Para garantir a vaga no Pan, Jair apostou na experiência de Rafael Camarotta no gol, campeão brasileiro com o Coritiba no ano anterior. Na defesa, Polaco, zagueiro e lateral que jogava no América carioca e mais tarde foi para o Fluminense; Everaldo, zagueiro do Avaí; o zagueiro Henrique, então no Grêmio e que na década de 90 faria história com a camisa do Corinthians; e Dida, lateral-esquerdo do Coritiba e que ainda jogaria por Palmeiras e Corinthians.

No meio de campo, Dunga, então jogador do Santos já fazia parte do selecionado nacional; Renê, jogador do Fluminense e que mais tarde ganhou o sobrenome Weber quando treinador; e a promessa de substituto de Zico, Gilmar Popoca, que já havia disputado as Olimpíadas de 84, em Los Angeles.

No ataque, Marlon, revelado pelo Marília mas que vestia a camisa do Santa Cruz era o ponta-direita; Wallace, de apenas 18 anos, era o centro avante; e Paulinho Carioca era o ponta-esquerda.

Se com a camisa do Flamengo o jovem Wallace marcou apenas três vezes, em 25 jogos, nesta partida o atacante estava motivado. Logo aos 14 minutos abriu o placar. Ainda na primeira etapa, aos 39, o lateral Dida ampliou. Quando o jogo já caminhava para o final, aos 33 do segundo tempo, Wallace marcou novamente e fechou o placar: 3 a 0.

Ficha técnica: Brasil 3 x 0 Bolívia

Brasil: Rafael [Coritiba]; Polaco [América-RJ], Everaldo [Avaí], Henrique [Grêmio] e Dida [Coritiba]; Dunga [Santos], Renê [Fluminense] e Gilmar Popoca [Flamengo] (Édson) [Botafogo]; Marlon [Santa Cruz], Wallace [Flamengo] e Paulinho Carioca [Fluminense]
Técnico: Jair Pereira.

Bolívia: Terraza; Romer Rocca, Villegas, Rodriguez e Zveizaga; Valdimir Soria, Fernando Salinas e Ramiro Castillo; Juan Padilla Galarza (Ortega), Victor Hugo e Álvaro Peña.

Data: 1º de dezembro de 1986
Competição: Copa Odesur
Local: Estádio Nacional, em Santiago, no Chile.
Árbitro: L. La Rosa (Uruguai)

Por Raoni David
——————————————————————
Flamengo forward score twice en route to the Pan Am Games

In 1986 a Copa Odesur win secured a place for the nation to play in the Pan American Games of Indianapolis at the following year. Teying to get a spot Brazil had to face Bolivia in the beginning of December that year.

Bolivia is known for not being a great team when playing far away from their home soil. Coach Jair Pereira had a great season in 1983 with Paysandu and was invited to manage the Brazilians youth squads, including the Olympic one.

Some players from that team already had been successful in Brazil, like goalkeeper Rafael Camarotta, Brazilian Champions with Coritiba in 1983. Other notables are back Henrique, that is in Corinthians’ history books and lefty Dida, that played for Palmeiras and Corinthians in São Paulo.

Midfielder Dunga, playing for Santos back then, already was in the Seleção. Rene gained the surname Weber when he turned a coach some years ago, and Zico’s replacement in Flamengo, Gilmar Popoca, also played in that match.

The forwards were Marlon, Paulinho Carioca and Wallace, the scorer of the day. The 18 years old from Flamengo scored the first when the clock hited 14 minutes in the first half, Dida doubled before the end of the first half and Wallace sealed the win at the end.

Brazil 3 x 0 Bolivia

Brazil: Rafael [Coritiba]; Polaco [América-RJ], Everaldo [Avaí], Henrique [Grêmio] and Dida [Coritiba]; Dunga [Santos], Renê [Fluminense] and Gilmar Popoca [Flamengo] (Édson) [Botafogo]; Marlon [Santa Cruz], Wallace [Flamengo] and Paulinho Carioca [Fluminense]
Coach: Jair Pereira.

Bolivia: Terraza; Romer Rocca, Villegas, Rodriguez and Zveizaga; Valdimir Soria, Fernando Salinas and Ramiro Castillo; Juan Padilla Galarza (Ortega), Victor Hugo and Álvaro Peña.

Date: 1st December 1986
Competition: Copa Odesur
Place: Nacional Stadium, Santiago, Chile.
Referee: L. La Rosa

Tradução de Fabricio Presilli

Anúncios

Em transição, Brasil perde para a Alemanha, mas time tinha futuro

Não há dúvidas de que o momento histórico alemão era muito melhor que o da Seleção Brasileira, pois apenas três anos antes havia conquistado a sua terceira Copa do Mundo, após participar de sua terceira final de mundiais seguidas. O Brasil, por sua vez, não era campeão desde 1970, e colecionava fracassos nas últimas três Copas, sendo eliminado precocemente.

Mesmo assim, porém, o equilíbrio que sempre existiu entre as seleções foi mantido. Em junho de 1993, as equipes haviam se enfrentando num belo empate por três gols. Quando se reencontraram no ano, em 17 de novembro, os alemães, jogando em casa, levaram a melhor e venceram por 2 a 1.

A grande diferença dos times, talvez, fosse a idade. O Brasil era um time completamente diferente daquele que perdeu a Copa de 90, e já um esboço para a disputa da Copa de 94 nos Estados Unidos. A Alemanha havia mudado o treinador com a entrada de Berti Vogts no lugar do campeão Franz Beckenbauer.

Dos 14 jogadores que entraram em campo contra o time de Carlos Alberto Parreira, apenas seis não estiveram no título da Copa de 90: Helmer, Effenberg, Hassler, Moller, Kirsten e Gaudino. Em contra partida, apenas cinco jogadores brasileiros participaram do fracasso na Itália: Jorginho, Mozer, Ricardo Gomes, Branco e Dunga.

As novidades da Seleção Brasileira de Parreira era as presenças de nomes de destaque no cenário nacional, especialmente do Palmeiras, como a linha de frente que tinha Zinho, Evair, Edmundo e Edílson, que entrou no segundo tempo, no lugar de Raí. A boa campanha corintiana no Brasileiro rendeu as presenças do goleiro Ronaldo e do meia-atacante Válber. Outro que jogava em solo nacional era o experiente lateral-esquerdo Branco, que estava no Grêmio.

Ao contrário do que se viu na Copa, um ano depois, porém, o Brasil era escalado de modo bastante ofensivo. À frente da linha de quatro da defesa, estava apenas um volante: Dunga. O meio de campo ainda era formado por Zinho, Raí e Paulo Sérgio, que com velocidade, participava muito do setor ofensivo. No Corinthians, era praticamente um ponta. Completavam a equipe, Edmundo e Evair.

Apesar de todo o poderio ofensivo brasileiro, os alemães levaram a melhor com gols do zagueiro Buchwald e do meia-atacante Moller. Evair marcou o gol de honra do Brasil e com a ótima campanha que fazia no Palmeiras, seguia cavando seu lugar na Copa. Mais tarde, Parreira preferiu os garotos Ronaldo e Viola, deixando Evair e de quebra, Edmundo de fora. Fato que causou muita polêmica na época.

Ao longo da carreira, Ronaldo justificou a opção, porém Viola nem tanto, embora tenha feito história no futebol nacional com as camisas do Corinthians, Santos e Vasco da Gama.

Ficha técnica: Alemanha 2 x 1 Brasil

Alemanha
Bofo Ilgner; Buchwald, Kohler, Matthaus, Helmer e Brehme; Effenberg, Hassler e Moller; Riedle (U. Kirsten) e Klinsmann (Gaudino).
Técnico: Berti Vogts

Brasil
Ronaldo [Corinthians]; Jorginho [Bayern de Munique-ALE], Márcio Santos [Bordeaux-FRA] (Mozer) [Benfica-POR], Ricardo Gomes [PSG-FRA] e Branco [Grêmio]; Dunga [VFB Stuttgart-ALE], Zinho [Palmeiras], Raí [PSG-FRA] (Edílson) [Palmeiras] e Paulo Sérgio [Bayer Leverkusen-ALE]; Edmundo [Palmeiras] e Evair [Palmeiras] (Válber II) [Corinthians]
Técnico: Carlos Alberto Parreira

Data: 17 de novembro de 1993
Local: estádio Muengersdorfer, em Colônia, Alemanha
Competição: Amistoso
Árbitro: Jan Damgaard

Por Raoni David
—————————————————————–
A team that brougth glories later, defeated in Germany

There is no doubt that the Germans were in a better momentum than Brazil, after three World Cup finals in a row, with a title won in 1990 Germany had a great team back in the 1990’s. Brazil however dreamed with its fourth title since 1970 and had not went to the semis in any of the previous World Cups.

The tie of June in 1993 showed that there was some good years ahead for the Brazilians, but when they faced each other again in 1993, Germany won at home.

The main difference from the teams was maybe the age, Brazilians were much younger, practicaly a new team from the 1990 World Cup, wereas Germany didn’t changed that much from the winnig Beckenbauer squad to the Vogts team. Only Helmer, Effenberg, Hassler, Moller, kirsten and Gaudino were new to the Germans. Jorginho, Mozer, Ricardo Gomes, Branco and Dunga were the few remainders of the 1990 debacle.

Parreira called off several names that were having good seasons in Brazil, especialy from the great Palmeiras squad with Zinho, Evair, Edmundo and Edílson in the front. Corinthians gave the keeper Ronaldo and midfielder Váber. Branco also played in Brazil, at Grêmio at that time.

The coach had an offensive team, with only one defensive midfielder, Dunga, and five attacking midfielders, wingers and strikers, among them Raí and Paulo Sérgio. Despite of the great players in the Brazilian ofensive line, the Germans scored twice with the defender Buchwald and Moller, Evair made the Brazilian only goal and tried to keep his place to the World Cup, he eventualy got out in favor of a young Ronaldo and Viola, Parreira also kept Edmundo out of the squad, which came with hard criticism at the time. The excentric Viola played in several big clubs around Brazil, and Ronaldo, well he is the top scorer of the World Cups, enough said.

Germany 2 x 1 Brazil

Germany
Bofo Ilgner; Buchwald, Kohler, Matthaus, Helmer and Brehme; Effenberg, Hassler and Moller; Riedle (U. Kirsten) and Klinsmann (Gaudino).
Coach: Berti Vogts

Brazil
Ronaldo [Corinthians]; Jorginho [Bayern Munchen], Márcio Santos [Bordeaux] (Mozer) [Benfica], Ricardo Gomes [PSG] and Branco [Grêmio]; Dunga [VFB Stuttgart], Zinho [Palmeiras], Raí [PSG] (Edílson) [Palmeiras] and Paulo Sérgio [Bayer Leverkusen]; Edmundo [Palmeiras] and Evair [Palmeiras] (Válber II) [Corinthians]
Coach: Carlos Alberto Parreira

Date: 17th November 1993
Place: Muengersdorfer Stadium, Koln, Germany
Competition: Friendly
Referee: Jan Damgaard

Tradução de Fabricio Presilli

Na altitude, Bolívia é quase potência

A seleção boliviana nunca foi, e é difícil imaginar que um dia chegue a ser, uma forte seleção quando o assunto é futebol. Uma das comprovações disso é o confronto direto com a seleção brasileira, que começou em 1930 na disputa da Copa do Mundo do Uruguai. E assim como na maioria dos confrontos, teve vitória do Brasil.

Ao todo foram 25 partidas disputadas, com 18 vitórias brasileiras. Em apenas quatro oportunidades, a Bolívia saiu de campo vencedora e em outras três vezes o jogo terminou empatado. A seleção brasileira fez 86 gols e tomou apenas 23. Ou seja, uma vantagem enorme.

No entanto, curiosamente, ou não, em jogos na altitude os confrontos são equilibrados, e com vantagem para os bolivianos. São sete jogos, com quatro vitórias dos que estão acostumados com o ar rarefeito, duas do Brasil e apenas um empate, na última partida entre as equipes em Eliminatórias para a Copa do Mundo, em 2005.

A primeira partida na altitude entre as equipes foi em Cochabamba, com 2.560 metros de altitude. A partida válida pela Copa América de 1963 terminou com vitória de 5 a 4 dos bolivianos que eram comandados por Danilo Alvim, o ‘Prícipe’, como era conhecido pela torcida vascaína. Aymoré Moreira comandava a seleção brasileira, que não contou com nenhum jogador que tinha disputado qualquer Copa do Mundo.

Os outros seis jogos, foram em La Paz, a 4.057 metros de altitude. A primeira, também pela Copa América, foi em 1979, e nova vitória boliviana. O Brasil desta vez, porém, tinha um time respeitável. As grandes novidades eram Juari e Nilton Batata, Meninos da Vila, que acabaram não vingando com a amarelinha, assim como Zenon, Pedrinho, Renato pé mucho e Zé Sérgio. Outros como Leão, Júnior (que jogou improvisado na lateral direita), Oscar, Amaral, Batista, Carpegiani e Roberto Dinamite disputaram copas com o Brasil.

Em 1981 a primeira vitória brasileira na altitude. Pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo o Brasil venceu por 2 a 1, com gols de Sócrates e Reinaldo. Aragonés marcou para os bolivianos. Da seleção de Telê que participou deste jogo, dez estiveram no grupo que foi à Copa de 82.

Dois anos mais tarde vingança boliviana, que ao vencer o Brasil por 2 a 0 impôs a primeira derrota da seleção canarinho em Eliminatórias para a Copa. Na ocasião, em 1993, o polêmico Etcheverry e Peña marcaram. O Brasil de Carlos Alberto Parreira, coincidentemente, teve o mesmo número de jogadores (dez) que foram para a Copa dos Estados Unidos no ano seguinte.

Em 1997 as equipes fizeram a partida mais importante da história dos confrontos: a final da Copa América disputada em solo boliviano. E o Brasil venceu! Denílson abriu o placar aos 40 minutos do primeiro minuto, mas viu Erwin Sanchez empatar logo em seguida. Somente aos 34 minutos do segundo tempo o Brasil ficou à frente do placar com Ronaldo. Faltando um minuto para o fim, Zé Roberto ampliou e quando o jogo acabou Zagallo proferiu o famoso: vocês vão ter que me engolir.

Para as Eliminatórias da Copa de 2002 a Bolívia voltou a vencer depois de dois jogos. Em 2001, Líder Paz e Baldivieso duas vezes marcaram para os donos da casa e Edílson descontou para o Brasil. Em 2005, no último confronto entre os times na altitude, empate por 1 a 1. Juninho Pernambucano e José Castillo marcaram.

Por Raoni David

—————————————————————–

At home, Bolivia is almost unbeatable

The Bolivian national team never was considered tough opponent, it is hard to think they will ever become a powerhouse in terms of football. One example to illustrate the poor record of the Bolivians is showing their confrontation stats with other teams.

Brazil has played against the Bolivians 25 times, the first one was in the 1930 World Cup, so far Brazil notched up 18 wins, only four matches ended with the side from the Andes victorious. The other three matches were tied, Brazil scored a total of 86 goals and Bolivia managed to score 23 times, a major advantage to the Brazilians.

However when Bolivia plays at home ground, history shows that they increase their chances to win. Against Brazil they played seven times, with four wins, two losses and a draw, in their last encounter valid for the Qualifiers to the World Cup, back in 2005.

The first match played in Bolivia between them was in Cochabamba, at 2.560 meter above sea level, valid for the Copa América in 1963, Bolivia won 5 to 4, their key player was Danilo Alvim, nicknamed ‘O Príncipe” (The Prince), from the Vasco crowd in Brazil. Aymoré Moreira coached a team with lack of international experience.

The other six matches were in La Paz, exactly 4.057 meters above the sea level. In 1979, again in a Copa América, Bolivia got their second win, however this time Brazil’s side where a more capable one, with players such as Leão, Oscar, Júnior, Carpegiani and Roberto Dinamite.

In 1981 came the first Brazilian win in the altitude, again for the Qualifiers to the World Cup, the final score was 2 to 1. Scored to Brazil Sócrates and Reinaldo, Aragonés made the Bolivian one, from the group that went to Bolívia 10 players were also in Spain with coach Telê Santana.

Bolivia had to wait twelve years to get a revenge, winning 2 to 0 in the first loss of the Seleção in a Qualifying Tournament ever. “El Diablo” Etcheverry and Peña scored the Bolivian goals in 1993. Parreira also took 10 players that went to Bolivia with him to win the fourth Brazilian title in the US.

In 1997 they had the most important encounter of all: the final game of Copa América. And Brazil managed to get a win in La Paz! Denílson scored the first one late in the first half, but Erwin Sanchez drew right away. At the twilight of the match Brazil scored twice with Ronaldo and Zé Roberto. After the game, Zagallo said one of his most famous sentences: “you will have to swallow me here!”.

For the Qualifyiers to the 2002 World Cup Bolivia once again won, Líder Paz and Baldivieso scored one a piece and Edilson made the Brazilian goal back in 2001. On their last match in the altitude, in 2005, a tie was set after goals from Juninho Pernambucano and José Castillo.

Tradução de Fabricio Presilli

Dunga ainda engatinhava no comando, e a seleção vencia

Era apenas o quinto jogo de Dunga à frente da Seleção Brasileira. E a partida contra o Equador, no dia 10 de outubro de 2006, no estádio Rasunda, local da primeira conquista de Copa do Mundo pelo Brasil, seria a quarta de uma sequência de cinco vitórias. O treinador ficou os seis primeiros jogos sem derrota no comando da seleção.

E era também apenas o quinto jogo do Brasil após a perda da Copa do Mundo na Alemanha. Dos 14 jogadores que entraram em campo, apenas oito estiveram no grupo convocado por Carlos Alberto Parreira. Lúcio, Juan, Gilberto Silva, Kaká e Robinho, começaram como titulares e Ronaldinho Gaúcho, Mineiro e Fred entraram no decorrer da partida.

O goleiro Gomes, os laterais Maicon, Daniel Alves e Adriano, os meio-campistas Dudu Cearense e Elano e o atacante Rafael Sóbis, davam início à tentativa de renovação do treinador. Destes apenas Maicon, Daniel Alves e Elano mantiveram-se no time. Mais até que Ronaldinho Gaúcho, Mineiro e Fred, por exemplo.

Interessante notar que três anos depois, e poucos brasileiros permanecem nas mesmas equipes. Apenas Maicon e Adriano. Alguns, como Elano e Mineiro, por exemplo, já mudaram de time duas ou mais vezes. Outros, como Robinho, também trocou e já quis trocar de novo, e deve fazê-lo ao final desta temporada. Porém, ninguém fez pior troca que o Fred que perdeu a Copa do Mundo na África do Sul, e vai assistir, de perto (ou não, está sempre em BH), ao rebaixamento do Fluminense.

O time equatoriano de bobo já não tinha nada, e na Copa caiu somente nas oitavas de final, quando foi derrotado por 1 a 0 pela Inglaterra, num jogo duro. No time titular, apenas três mudanças. Na lateral esquerda saiu Reasco e entrou Ambrossi e no ataque saíram Carlos Tenório e Delgado para as entradas de Borja e Caicedo.

E a mudança do técnico Fernando Suarez, no ataque deu certo. Tanto que aos 22 minutos Félix Borja abriu o placar para os equatorianos. Já ao apagar das luzes do primeiro tempo, o atacante Fred, ainda no Lyon, empatou. Na metade do segundo tempo Kaká marcou o gol da vitória brasileira.

Ficha técnica: Brasil 2×1 Equador

Brasil
Gomes [PSV Eindhoven-HOL]; Maicon [Internazionale-ITA] (Daniel Alves) [Sevilla-ESP], Lúcio [Bayern Munique-ALE], Juan [Bayer Leverkusen-ALE], Adriano [Sevilla-ESP]; Dudu Cearense [CSKA Moscou-RUS] (Ronaldinho Gaúcho) [Barcelona-ESP], Gilberto Silva [Arsenal-ING], Elano [Shakhtar Donetsk-UCR] (Mineiro) [São Paulo] e Kaká [Milan-ITA]; Robinho [Real Madrid-ESP] e Fred [Lyon-FRA] (Rafael Sóbis) [Bétis-ESP].
Técnico: Dunga

Equador
Mora; de La Cruz, Hurtado, Espinoza e Ambrossi; Méndez (Urrutia), E. Tenório, Castillo e Valencia; Borja (Zura) e Caicedo (Saritama)
Técnico: Luis Fernando Suarez.

Data: 10 de outubro de 2006
Competição: Amistoso
Local: Estádio Rasunda, em Estocolmo, Suécia
Árbitro: Stefan Johannesson

Por Raoni David

————————————————————–

Dunga was still fresh at the bench, and the Seleção kept winning

It was Dunga’s fifth match on the bench of the Seleção. An this game against Ecuador, on October 10th 2006 at Rasunda Stadium, the place of the first Brazilian Wold Cup title back in 1958, would be the fourth on a sequence of five wins. Dunga would have a start of six undefeated games in the Seleção.

And that was also only the fifth match after Brazil’s loss to the French back in Germany. Of the 14 players that went to the field only eight were on the roster the year before. Lúcio, Juan, Gilberto Silva, Kaká and Robinho started the game and Ronaldinho Gaúcho, Mineiro and Fred entered during the match.

The goalkeeper Gomes, the backs Maicon, Daniel Alves and Adriano, the midfielders Dudu Cearense and Elano and the forward Rafael Sóbis were among Dunga’s attempt to bring new guys to the sqad. Among them only Maicon, Daniel Alves and Elano are still considered in the team, they are called off more often than Ronaldinho Gaúcho, Mineiro and Fred.

Interesting note that after three years and only a couple of players are playing on the same clubs as they were back in 2006. Maicon still in Internazionale and Adriano in Sevilla. Elano and Mineiro had two transfers in that span. Robinho made a change and he seems to regret so much as he intends to move away from Manchester next summer. However none of them made a worst move than Fred, leaving french power Lyon for virtually demoted Fluminense in Rio.

The Ecuatorians were a good squad, at the World Cup they managed to get to the second round, eliminated by the English Team in a really tough game. On the starting eleven just three changes. Left back Reasco gave his place to Ambrossi and the attack of the team was new with Borja and Caicedo replacing Carlos Tenório and Delgado.

And that change worked out well, so much that Félix Borja scored the first goal of the match at the 22 minutes in the game, Fred equalized at the end of the first half. Kaká scored the winning goal midway the second half.

Brazil 2×1 Ecuador

Brazil
Gomes [PSV Eindhoven]; Maicon [Internazionale] (Daniel Alves) [Sevilla], Lúcio [Bayern München], Juan [Bayer Leverkusen], Adriano [Sevilla]; Dudu Cearense [CSKA Moscow] (Ronaldinho Gaúcho) [Barcelona], Gilberto Silva [Arsenal], Elano [Shakhtar Donetsk] (Mineiro) [São Paulo] and Kaká [Milan]; Robinho [Real Madrid] and Fred [Lyon] (Rafael Sóbis) [Bétis].
Coach: Dunga

Ecuador
Mora; de La Cruz, Hurtado, Espinoza and Ambrossi; Méndez (Urrutia), E. Tenório, Castillo and Valencia; Borja (Zura) and Caicedo (Saritama)
Coach: Luis Fernando Suarez.

Date: 10th october 2006
Competition: Friendly
Place: Rasunda Stadium, Stockholm, Sweden
Referee: Stefan Johannesson

Tradução de Fabricio Presilli

Dunga é o cara!

Dunga é o cara! Não é provocação, é sério. Foi subestimado quando jogador por toda imprensa e opinião pública, dando seu nome como apelido para uma fase horrível da Seleção Brasileira. ‘Era-Dunga’. Assim ficou conhecido o período em que o aguerrido volante usou a amarelinha.

Mas junto com ele, geralmente, tinha mais um volante e outros três zagueiros. Enquanto isso, craques como Careca, Renato Gaúcho, Bebeto e Romário, viviam no banco de reservas. Deste jeito não tinha seleção que encantasse. Mas a culpa era dele, Dunga!

Chegou a Copa de 94 e sem tantos craques, mas com menos zagueiros, o Brasil conquistou o tetracampeonato, que era esperado há trinta anos, e nomes como Ademir da Guia, Zico e Sócrates não conseguiram conquistar. Dunga conquistou, e como capitão ergueu a taça. E durante a competição, mostrou que não era tão ruim assim com lançamento para gol e cobrança de pênalti na decisão contra Itália.

Em 1998, nova reviravolta, mas desta vez, não era Dunga quem estava no olho do furacão, e sim, Ronaldo. Sobre o capitão, o que diziam, fazia referência à uma possível discussão com Leonardo no vestiário da partida contra a França, fato que explicaria a aparente apatia do sempre guerreiro camisa 8. Enfim, Dunga parecia encerrar sua carreira na seleção por cima. Campeão em 94 e ileso do vexame de 98.

Mas este não era o fim. E Dunga voltou, para iniciar a carreira como técnico. O fato gerou críticas. Como era possível, alguém iniciar a carreira como técnico no cargo mais concorrido por todos os outros. E lá ia Dunga, para mais uma fase de críticas, talvez até mais ácidas que na época de jogador.

Mas Dunga não aceitaria o cargo à toa. Sabia do que era capaz e aos poucos, deu sua cara ao time brasileiro, que passou a jogar com raça, vontade, boa estrutura tática (parecida com as de 94 e 98, é verdade), mas bem definida. Com isso, o futebol brasileiro reapareceu na camisa que o torcedor se acostumou a ver jogadores já consagrados, se arrastarem em campo.

E assim se fez, nova torcida pela seleção! Parabéns Dunga!

Por Raoni David
————————————————————–
Dunga is the MAN!

Dunga is the man! No, I am being serious, it is not a joke. When he played nobody believed he had what it takes to play in the Seleção, Dunga even became a reference of a bad phase for the team, the “Dunga Era”. This nickname is often used to remember the years that the strong full back worn the famous yellow one.

Often Dunga played with another back, plus other three defenders, and left players like Careca, Bebeto, Renato Gaúcho and even Romário benched. With a roster like that there was no way a team could ever bring a class act, and the brazilians select Dunga to blame for the team poor play.

So it arrived 1994, and without so many great players to rely on, and with fewer backs than previous years, the Seleção finally won the fouth title that was due for almost thirty years. Leaving legends such as Ademir da Guia, Zico and Sócrates without a World Cup trophy. Dunga earned and as team captain raised the gold, during the competition he showed his evolution as a player, giving assistants and even scoring a penalty kick during the final decider.

Another turn around came in 1998, but this time Dunga was not in the center of it all, it was Ronaldo´s time. About the capitain it is said that he had an argument with Leonardo in the locker room that could explain his poor performance in the final against the french. Those were what we believed to be his last years in the Seleção.

To prove the world was wrong Dunga came back, starting a coaching carreer from the top. Critics said that nobody could ever had a first gig on a coaching position in the most wanted teams of all, and again Dunga received a hard dose of criticism and again had to prove everybody was wrong.

He knew what he is capable of, game by game he gave his flavour to the team, grit and spirit, a good tactical structure (similar to those in 94 and 98 in fact), but well defined. Now the yellow shirt is back with great players, sometimes failing to give their best, but improving with time.

Because of him a new kind of cheering was born, congrats Dunga!

Tradução de Fabricio Presilli